Do alcoolismo à santidade

No ano de 1925 em Dublin (Irlanda) um jornal publicou a seguinte notícia: “Um homem idoso perdeu os sentidos na Praça Gramby Lane. Levado ao hospital viram  que estava morto; e não tinha nenhum documento”.

Depois constatou-se que era Matt Talbot, que de alcoólatra inveterado se tornou um verdadeiro santo. Era o segundo de 12 irmãos, e nasceu numa família pobre de Dublin em 1856. Terminada a instrução primária, Matt Talbot empregou-se na casa de um negociante de vinhos, como moço de recados, aos doze anos de idade. Aí aprendeu a beber.  E passados dois anos era um miserável alcoólatra.

Os pais pensavam que mudando de emprego, o rapaz deixasse a bebida, e puseram-no a trabalhar como ajudante de pedreiro. Continuou porém, preso ao álcool. No fim  de cada semana  gastava quase todo o ordenado nas tabernas.

 Quando não bebia, Matt era amável, serviçal, simpático e acolhedor. Mas quando ficava embriagado, fazia-se valentão e metia-se em brigas. E foi durante 14 anos um pobre bêbado e jogador viciado. A bebida o atraia irresistivelmente  e o jogo o hipnotizava.  Aos sábados, dia de pagamento, ele aguardava no portão da fábrica os operários com o ordenado da semana, esperando que o convidassem para beber um copo. Quase ninguém parava para falar com ele, pois não era bem visto, obviamente.

 Numa tarde caiu em terrível abatimento físico e moral, como não lhe havia acontecido até então. Sentia nojo de si mesmo por causa do seu vício degradante. Como se sucedessem esses estados com tanta freqüência, um dia disse à mãe, para surpresa dela: Ó mãe, hoje fiz uma promessa a Deus!

– Que promessa você fez, meu filho?

 – A promessa de não beber durante três meses!

 No dia seguinte foi trabalhar normalmente na fábrica. Passou bem a semana inteira, sem beber. No sábado imediato, os companheiros o convidaram para ir à taberna beber um copo, o que raramente acontecia. Por  delicadeza aceitou o  convite. Mas os colegas ficaram admirados quando o  viram beber apenas água mineral!

Entretanto, a luta para cumprir a promessa naqueles três meses foi  para ele um tormento. E dizia à sua mãe como forma de desabafo:

– Já não aguento mais, minha mãe! Tenho que voltar a beber!

Mas ele resistia, e as lágrimas corriam-lhe pela face. Mais tarde confessou: “Foi então que me pareceu ouvir uma voz interior que me dizia: — Matt, a sua sobriedade é uma tolice. Você é incapaz de viver sem bebida. Um homem viciado como você não consegue viver sem álcool.

 Matt  entendeu que  era um  aviso do Céu a convencê-lo que por suas próprias forças seria incapaz de abandonar o vício da bebida. Era preciso pedir essa graça a Deus Nosso Senhor.

 De seguida humilhou-se e suplicou a Deus que lhe concedesse forças para dominar e largar esse vício da embriaguez.

A partir de então, ia toda manhã à Igreja dos Franciscanos para assistir a Missa e receber devotamente a Sagrada Comunhão.

Passados os três meses, Matt renovou o voto por um ano. Aos poucos foi se livrando da bebida até se tornar um homem livre dessa prisão alcoólica, embora de vez em quando tivesse que lutar contra a tentação da volta à bebida. Numa dessas ocasiões ele disse:

 “Quando em certa manhã ia para a Igreja dos Franciscanos, assaltou-me um forte desejo de tomar álcool. Não sabia como havia de resistir. Durante duas horas andei sem rumo pela cidade e parei na frente de uma igreja. Entrei, ajoelhei-me diante do altar, e supliquei a Deus: “Senhor, não me deixeis recair na embriaguez, que desejo vencer com o vosso amparo e ajuda” . Fiquei ali não sei quanto tempo”.

Ao longo dos anos, pouco a pouco Matt tornou-se outro homem. Sentia-se completamente livre da tentação da bebida. De vez em quando era visto entrar numa e outra taberna com um envelope na mão. Era o dinheiro para pagar as bebidas que bebeu fiado.

 Daí por diante, entregou-se a uma rotina de muita oração e penitência, durante seus últimos 40 anos de vida. Levantava-se às 5 da manhã para assistir à Missa antes do trabalho e dava à oração todos os momentos livres de que dispunha. Quando caiu desmaiado ao dirigir-se para a Missa, e levado para o hospital, encontraram-lhe o corpo cingido por áspero cilício de pontas de arame mordentes, sinal da grande mortificação que praticava.


Introduzido o processo de beatificação em 1947, foi declarado Venerável em 1975. A sua conversão foi tão real e sincera que dificilmente se encontrará nestas terras um exemplo de tanta oração e penitência como a deste carregador das docas de Dublin.

  Matt Talbot morreu a caminho da Missa na Igreja dos Franciscanos, depois de ter completado 69 anos de idade.


 Jornal de Dublin –  Irlanda   –  8 de Julho de 1975 .           
Foto: http://saintsresource.com/matt-talbot                     


Estude com os Arautos. Está à sua disposição a  Plataforma de cursos online Reconquista. Onde você leitor encontrará um acervo de cultura, espiritualidade, musica e arte em um só canal.

Com a rica formação de seus sacerdotes e membros, com formação em direito canônico, filosofia, teologia, entre outros, os Arautos tem a certeza de oferecer a você um conteúdo original, autêntico e amplo.

Não perca essa oportunidade de usufruir de todo esse acervo. Acesse o site: https://hotm.art/cursosoratorio  e inscreva-se. ♦

amor aparecida apostolado apostolado do oratório arautos do evangelho arautos sacerdotes cidades comentario ao evangelho comunhão reparadora comunidade coordenadores Cristo deus devoção encontro eucaristia evangelho familias fátima grupos do oratorio heraldos del evangelio igreja imaculado coração de maria jesus liturgia maria meditação missa missao mariana Monsenhor João Clá Dias natal Nossa Senhora nossa senhora de fátima nosso senhor Notícias o inédito sobre os evangelhos oratório oração paróquia peregrinação Plinio Correa de Olivieira primeiro sábado santa missa santíssima virgem

Deixe uma resposta