As pessoas que se unem a Nosso Senhor, por meio de Maria, fazem maravilhas


Desde que haja o sacerdócio para continuar os sacrifícios, absolver os pecados e manter a hierarquia eclesiástica; desde que haja Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento e uma imagem de Nossa Senhora, tudo se pode reconstruir! A beleza vem toda d’Eles

Plínio Corrêa de Oliveira

 

Outro dia, conversando com um membro de nosso Movimento, falávamos a respeito das profecias segundo as quais, por ocasião de um grande castigo para a humanidade, várias nações seriam aniquiladas, o que leva a supor que muitos países civilizados desapareceriam.

Meu interlocutor levantou a seguinte questão:

— Mas tantos tesouros da Fé, da arte, da cultura nunca mais serão reconstituídos?

Eu disse:

— Desde que haja o sacerdócio para continuar os sacrifícios, absolver os pecados e manter a hierarquia eclesiástica; desde que haja Nosso Senhor no Santíssimo Sacramento e uma imagem de Nossa Senhora, tudo se pode reconstruir! A beleza vem toda d’Eles.

Da Civilização Cristã se pode dizer o mesmo que a Igreja aplica a Nossa Senhora: “Toda a glória da filha do Rei lhe vem do seu interior!”1 Quer dizer, não procede das honrarias que recebe, dos títulos que tem, das joias que usa, nem de sua boa educação, de suas boas maneiras, nem de nada. Vem, essencialmente, de Nosso Senhor Jesus Cristo, por meio de Nossa Senhora. E, bem entendido, no seio da Santa Igreja Católica Apostólica Romana, fora da qual não há salvação.

Os meios naturais e humanos nos foram dados pela Providência para serem usados por nós, dentro do espírito que Deus nos concede e para a finalidade que a Providência tem em vista. Portanto, o efeito das influências da ação da graça do Sagrado Coração de Jesus, através do Coração Imaculado de Maria, nas nossas almas, consiste em dar a toda criatura um uso excelente.

Digamos que num país haja uma serrania com muitos cristais, e o povo comece a trabalhar naquilo. Se eles tiverem almas profundamente influenciadas pelo Sagrado Coração de Jesus, por meio do Imaculado Coração de Maria, acaba acontecendo que o trabalho deles vai dar em cristaleiras excelentes.

Eles não copiarão necessariamente os cristais de outros séculos. Poderão se inspirar neles, ou não se inspirar, conforme os movimentos da graça, mas sairão maravilhas!

Uma coisa é positiva: basta haver almas que se unam bem a Nosso Senhor, por meio de Nossa Senhora, que elas acabam fazendo maravilhas! Grandes ou modestas maravilhas, pois saber fazer também pequenas maravilhas, amá-las e extasiar-se com elas é próprio da alma verdadeiramente católica.

Seria mais ou menos como um pai que tem um filho de quatro ou cinco anos e, no seu aniversário, o filho verboso lhe escreve uma cartinha com pretensões literárias. Pode ser uma pequena maravilha, mas o pai fica tão comovido — e eventualmente até mais — como se tivesse um filho que escrevesse um artigo sobre ele num jornal. São as pequenas maravilhas de que Deus encheu a Criação. ♦


1) Cf. Sl 44, 14 (Vulgata).

Deixe uma resposta