Não se deve dar tempo ao tempo, mas sim à eternidade

III Domingo do Tempo Comum

O chamado à conversão e o anúncio do Reino nos colocam na perspectiva de um “tempo abreviado” que deve ser vivido em função da eternidade

Monsenhor João S. Clá Dias, EP

Viver no tempo sob a perspectiva da eternidade

A comunicação de Deus com o homem — em particular nos episódios mais salientes narrados na Escritura Sagrada — é o ponto central a partir do qual se desenrola a História. Como seria desejável assistir a todas as maravilhas da ação divina ao longo dos séculos, do grande mirante da eternidade, que só abandonaríamos no curto período entre nosso nascimento e o instante da morte! No entanto, dado que vivemos dentro do tempo, isto não é possível. Mas também fazemos parte da História, e tudo o que veio antes de nós, assim como o presente e o futuro, tem íntima relação conosco. Como, então, nos associarmos aos passos de Deus em todas as épocas?

A Liturgia permite reviver a História da salvação

Eis a maravilha da Liturgia! Com efeito, ela nos faz participar não só dos acontecimentos celebrados, mas, inclusive, das mesmas graças concedidas em cada um deles, conforme afirma o Papa Pio XII na Encíclica Mediator Dei: “O Ano Litúrgico, que a piedade da Igreja alimenta e acompanha, não é uma fria e inerte representação de fatos que pertencem ao passado, ou uma simples e nua evocação da realidade de outros tempos. É, antes, o próprio Cristo, que vive sempre na sua Igreja e que prossegue o caminho de imensa misericórdia por Ele iniciado, piedosamente, nesta vida mortal, quando passou fazendo o bem (cf. At 10, 38) com o fim de pôr as almas humanas em contato com os seus mistérios e fazê-las viver por eles, mistérios que estão perenemente presentes e operantes, não de modo incerto e nebuloso”.

Há um mês e meio abriu-se o novo Ciclo Litúrgico com o período do Advento, que revive ao longo de quatro semanas ― dedicadas à penitência e ao pedido de perdão por nossas faltas ― a espera da humanidade pela chegada do Messias. Vinculamo-nos, assim, aos milênios que se seguiram desde a saída de Adão e Eva do Paraíso até o nascimento do Redentor. Exultando de alegria pela certeza de que uma mudança se verificaria e as coisas tomariam outra perspectiva, acolhemos Jesus na noite de Natal, O visitamos com os pastores e os Reis Magos, fugimos com Ele para o Egito, e O encontramos no Templo, separado de Nossa Senhora e de São José. Mais tarde assistimos ao seu Batismo, cuja comemoração encerra as festas e introduz o Tempo Comum, em que contemplaremos ao longo dos meses o começo da vida pública de Nosso Senhor, os milagres por Ele realizados, a indignação dos fariseus por perceberem a difusão de uma doutrina nova dotada de potência (cf. Mc 1, 27), diferente de tudo quanto ensinavam, bem como a insegurança e a inveja que os leva a querer matar o Filho de Deus.

Tempo Comum significa tempo de luta, de esforço no cumprimento do dever, de abnegação, de arrancar as nossas vaidades, medidas fundamentais para a formação do caráter. Não é por acaso que neste 3º Domingo ouvimos o Divino Mestre declarar: “O tempo já se completou e o Reino de Deus está próximo”.

Que tempo é este? Qual é o tempo que estamos vivendo? Avançam sem interrupção os ponteiros do relógio, sucedem-se os segundos, os minutos vão se escoando. A nossa vida se pauta pela expectativa dos instantes posteriores e do dia de amanhã… Que mensagem nos traz esta Liturgia ao falar da criatura tempo, enquanto nos convida a entrar no Reino de Deus?

A pregação de Jonas

Na primeira leitura (Jn 3, 1-5.10) Deus incumbe o profeta Jonas, pela segunda vez, de pregar em Nínive, missão que, como lemos em capítulos precedentes, ele aceita de má vontade. Convicto de que seus habitantes não iriam se converter, quiçá ele tenha pensado que as admoestações ao menos serviriam de elemento para condená-los, e por isso partiu com ímpeto de destruição, tanto mais que os ninivitas se contavam então entre os adversários dos judeus. Como era uma cidade entregue aos vícios e de conceitos religiosos desviados, predizer o seu castigo acabava sendo um deleite para Jonas. Grande era a extensão de Nínive, a ponto de serem necessários três dias para ser percorrida, mas o profeta não poupou esforços em proclamar: “Ainda quarenta dias, e Nínive será destruída” (Jn 3, 4).

Ora, o rei e o povo levaram a sério sua palavra: “acreditaram em Deus; aceitaram fazer jejum, e vestiram sacos, desde o superior ao inferior” (Jn 3, 5). Por que agiram assim? Porque o Senhor lhes mostrou o seu caminho, e a sua verdade os orientou e conduziu, como reza o Salmo Responsorial (Sl 24, 4a.5a) da Liturgia de hoje.

Desta forma eles adquiriram uma noção clara do rumo a ser seguido, e corresponderam à graça, atraindo a benevolência do Céu: “Vendo Deus as suas obras de conversão e que os ninivitas se afastavam do mau caminho, compadeceu-Se e suspendeu o mal que tinha ameaçado fazer-lhes, e não o fez” (Jn 3, 10).

Neste domingo a Igreja deseja que, a exemplo dos ninivitas, também nós atendamos à voz de Jesus que nos exorta: “Convertei-vos e crede no Evangelho!”.

Deixemos tudo para abraçar a santidade

É preciso meditar no dia do Juízo, quando todos os nossos pensamentos virão à tona. Se correspondermos ao convite da Liturgia deste domingo, firmando o propósito de
nos unirmos mais ao Salvador e sermos exemplo de bem, de verdade e de virtude para o próximo, esta boa disposição pesará na sentença de cada um de nós.

Certos da bondade do Mestre, roguemos a Ele que nos dê forças para vencer as dificuldades, pois o caminho do Céu não é fácil. Compenetremo-nos de que a cada passo nos cabe procurar ser mais perfeitos e conformar nossas almas com a d’Ele, pelo princípio inerrante de que ou progredimos ou nos tornamos tíbios. Na vida espiritual nunca estamos
estagnados: quem não avança, retrocede!

Peçamos, pois, a São Paulo, São Pedro, Santo André, São Tiago e São João que nos obtenham de Nosso Senhor Jesus Cristo a graça que eles receberam: deixar tudo para abraçar a via da santidade, seja ela em família ou numa vocação religiosa, com coragem e cheios de confiança! ⚜️


Excertos de O Inédito sobre os Evangelhos, Ano B. Tempo Comum.

amor aparecida apostolado apostolado do oratório arautos do evangelho arautos sacerdotes cidades comentario ao evangelho comunhão reparadora comunidade coordenadores Cristo deus devoção encontro eucaristia evangelho familias fátima grupos do oratorio heraldos del evangelio igreja imaculado coração de maria jesus liturgia maria meditação missa missao mariana Monsenhor João Clá Dias natal Nossa Senhora nossa senhora de fátima nosso senhor Notícias o inédito sobre os evangelhos oratório oração paróquia peregrinação Plinio Correa de Olivieira primeiro sábado santa missa santíssima virgem

Deixe uma resposta