A coroação de Nossa Senhora no Céu

Nossa Senhora sabia o dia da sua Assunção e que, imediatamente após sua ressurreição, seria elevada pelos Anjos ao Céu. Ela estava na plenitude de sua santidade, sua alma santíssima, que durante toda sua existência terrena não deixou um instante de progredir de um modo perfeitíssimo em matéria de vida espiritual, tinha chegado àquele clímax em que Maria possuía a perfeição perfeita, a beleza belíssima, a virtude virtuosíssima, portanto ao apogeu dos apogeus, e o seu amor de Deus nunca fora maior do que naquele momento.

Continue lendo “A coroação de Nossa Senhora no Céu”

Oração: Um tesouro inestimável ao nosso alcance

01 de agosto – Dia de Santo Afonso Maria de Ligorio

Ao tratar da oração1, Santo Afonso de Ligório não o faz à maneira de um teólogo que ensinará a respeito dela tudo quanto é possível. Ele escreve como diretor de consciências, mostrando o precioso proveito a se tirar da oração na vida espiritual

Plínio Corrêa de Oliveira


Acompanhando seu ensinamento, vemo-lo constantemente em face de uma determinada situação espiritual, não enunciada, mas que devemos conhecer com toda a clareza. É o que poderíamos chamar o encalhe.

Continue lendo “Oração: Um tesouro inestimável ao nosso alcance”

A tentação da “limbolatria”

XVIII Domingo do Tempo Comum

Diante dos prazeres, até legítimos, que a vida nesta Terra pode oferecer, facilmente o homem se esquece da eternidade para a qual foi criado

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, EP


A vocação trocada por uma fechadura….

Conta-se que certa vez um monge acabou por abandonar sua vocação em troca de uma mera bagatela. Havia ele trabalhado durante anos como exímio ferreiro e, em determinado momento, sentira em seu interior um forte impulso para seguir as vias da vida contemplativa. Deixando tudo, dirigiu-se a um mosteiro, onde foi admitido.

Passado algum tempo, foi-lhe destinada uma cela cuja porta rangia e batia sem cessar dia e noite, pois não se fechava bem. Querendo resolver o problema, nosso monge pediu licença ao superior e fabricou uma magnífica fechadura. Além disso, aproveitou para consertar a própria porta, ajustando-a melhor ao marco da parede. Afinal, conseguiu transformá-la numa peça modelar para toda a comunidade.

Encantado com seu próprio labor, passeava pelos corredores do edifício, admirado por não achar nenhuma fechadura comparável à dele, tão perfeita e bem acabada. Entretanto, com o correr dos meses, foi criando dentro de si um apego excessivo pelo acessório, aparentemente inofensivo.

Continue lendo “A tentação da “limbolatria””

Santo Elias, Profeta e Primeiro Devoto de Nossa Senhora

Historicamente falando, Santo Elias pode ser considerado o primeiro devoto de Nossa Senhora. Ao avistar a pequena nuvem — símbolo da futura Mãe de Deus — terá ele recebido uma forma de devoção à Santíssima Virgem prefigurativa e precursora da plena devoção mariana ensinada, séculos depois, por São Luís Grignion de Montfort.

Por Ir. Jurandir Bastos, EP. “Verdadeiramente ígnea (incandescente) foi a sua mente, ígnea a sua palavra, ígnea a sua mão, com que converteu Israel”. Com tais palavras, Cornélio a Lápide, grande teólogo, qualifica o Profeta que foi arrebatado ao céu para voltar à Terra no fim do mundo.

Neste mês de julho a Igreja comemora a festa do grande Profeta Elias.

A Ordem do Carmo, a mais antiga comunidade religiosa consagrada de modo especial a Nossa Senhora, teve como berço o Monte Carmelo, e como pai espiritual o Profeta Elias (980 a.C.)

Continue lendo “Santo Elias, Profeta e Primeiro Devoto de Nossa Senhora”

A cruz, quando inteiramente abraçada, nos configura com Cristo

XII Domingo do Tempo Comum

No auge da fama e da popularidade de Nosso Senhor, todos esperam para breve sua aclamação como um líder político sem precedentes. Jesus, porém, desfaz essa errônea expectativa com o anúncio de sua Paixão

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, EP

A tentação da terceira posição

E difícil para o homem, no relacionamento com o próximo ou com Deus, agir segundo as exigências de sua consciência, da moral e da verdade. Tomar uma atitude decidida e definitiva constitui uma escolha árdua, pois, por um lado, no interior da alma, clama a voz das más inclinações decorrentes do pecado e, por outro, o convite à retidão, à perfeição e à santidade feito pela graça.

Optar por uma dessas solicitações acarreta sérias consequências, surgindo a partir daí uma luta que continua durante toda a vida até o momento do juízo particular, fato que explica a conhecida afirmação de Jó: “a vida do homem sobre a Terra é uma luta” (7, 1). Não há uma idade a partir da qual seja possível considerá-la encerrada; pelo contrário, as batalhas espirituais tornam-se cada vez mais impetuosas com o passar do tempo. Comprova-o a hagiografia, ao mostrar a luta presente na trajetória terrena dos santos, até o último suspiro deles. Célebre é a exclamação de São Luís Grignion de Montfort, na hora da morte, indicativa de seu constante esforço para se manter fiel à Lei divina, da qual se julgava cumpridor muito imperfeito: “Cheguei ao termo de minha carreira: não pecarei mais!”1

Continue lendo “A cruz, quando inteiramente abraçada, nos configura com Cristo”