“Enviai o vosso Espírito”

Mons. João Scognamiglio Clá Dias, EP.

Mons Joao Cla

Maravilhoso é o dom da vida! Tanto nos encantam a inocência e exuberância da criança quanto nos impressiona gravemente a consideração de um corpo humano sem vida. Inerte, encontra–se em estado de violência, de tragédia, dissonante de sua normalidade. Há pouco ainda, notava-se nele como todos os membros e órgãos, tão distintos entre si, entretanto se ordenavam em função da unidade dada pela alma. Ausente esta, o corpo inteiro entra em decomposição.

Isso que ocorre na natureza humana é imagem de algo muito mais elevado e misterioso: a relação da Igreja com o Espírito Santo. A propósito, esclarece Santo Agostinho: “O que é o nosso espírito, isto é, a nossa alma em relação a nossos membros, assim é o Espírito Santo em relação aos membros de Cristo, ao Corpo de Cristo que é a Igreja”.

Pomba do ES2

Com efeito, o Espírito Santo, com toda a propriedade, é a alma da Igreja no sentido em que não lhe comunica seu ser substantivo divino, mas lhe dá unidade, vida e movimento. Não só isso, mas Ele a santifica, promove seu crescimento e esplendor, fazendo dela “o Templo do Deus Vivo” (II Cor 6, 16).

De modo que esse corpo moral extraordinário que é a Igreja, só tem verdadeira vitalidade sobrenatural por ação do Espírito Santo. É o que afirma o Papa Paulo VI:

“O Espírito Santo habita nos crentes, enche e rege toda a Igreja, realiza aquela maravilhosa comunhão dos fiéis e une a todos tão intimamente em Cristo, que é princípio da unidade da Igreja”.

Em Jesus Cristo, a união da natureza divina com a humana tem por hipóstase o Verbo, a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. E nas almas dos justos, a graça santificante, que nos torna participantes da natureza divina, é atribuída por apropriação ao Divino Espírito Santo.

O nosso Defensor

No Evangelho Nosso Senhor refere-se ao Espírito Santo como o “Defensor” (Jo 14, 16), aplicando a palavra no sentido de Advogado. Cabe ao advogado a função de defender em juízo a causa de seus clientes, apresentando todos os argumentos e provas para que estes não sejam condenados.

Ora, dada a contingência humana, todos nós cometemos faltas. Como afirma São João, com exceção apenas de Nossa Senhora e do próprio Jesus Cristo, Homem Deus, quem diz que não tem pecado é um mentiroso (cf. I Jo 1, 8).

Assim, todos somos réus e, com razão, tememos a justiça divina. Como nos apresentaremos diante do Juiz com essas lacunas? Por essa razão, o Divino Pastor nos promete enviar o Defensor para nos auxiliar na prática da Lei.

De fato, quando agimos bem, devemos ter certeza absoluta de que nossa boa ação não é fruto de nossa pobre natureza decaída, mas sim do indispensável auxílio da graça divina. Santa Teresinha experimentava claramente esta insuficiência ao escrever: “Sentimos que, sem o socorro divino, fazer o bem é tão impossível como trazer de volta o Sol ao nosso hemisfério durante a noite”.

Esse Defensor, afirma ainda Nosso Senhor, permanecerá para sempre conosco. Ou seja, estará agindo sem cessar, protegendo e consolando, embora não na mesma intensidade, e por vezes de modo imperceptível. Cabe-nos, assim, ouvirmos o que Ele nos diz no fundo da alma, seguindo os princípios e os ditames de nossa consciência. Para isso também, temos necessidade de uma graça divina.

Se formos fiéis a essas inspirações, teremos um Advogado contra as acusações apresentadas por nossa consciência e aquelas que o demônio fará a cada um de nós, no Juízo Particular.

Peçamos a Maria a vinda do seu Divino Esposo

A Divina Providência, por misericórdia, nos concede uma incomparável Intercessora que jamais Se cansará de ajudar- -nos. Peçamos à divina Esposa do Paráclito, Mãe e Senhora nossa, que nos obtenha a graça da vinda o quanto antes deste Espírito regenerador a nossas almas, conforme suplica a Santa Igreja: “Emitte Spiritum tuum et creabuntur, et renovabis faciem terræ” — “Enviai o vosso Espírito e tudo será criado, e renovareis a face da Terra”.

Para aproveitarmos convenientemente as graças da comemoração de Pentecostes, que se aproxima, convido a todos a considerar a maravilha da ação santificadora do Espírito Santo em nossas almas. Quão necessitado está o mundo, na situação presente, de um sopro especial d’Ele para mudar os corações e renovar completamente a face da Terra!

Missa comemorativa do dia 13 de Maio em Pompeia – SP

No dia 13 de maio, às 19h30, para comemorar o aniversário das aparições de Nossa Senhora em Fátima, celebrou-se a Santa Missa na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, em Pompeia (SP). O celebrante foi o Pe. Wilson, auxiliado pelo diácono Luiz Henrique e os seminaristas Tiago e Francisco. Presentes estavam 30 coordenadores do Apostolado do Oratório. Houve ainda uma peça teatral sobre a oração do terço, encenada por crianças.

Falar em silêncio

Quintana - Dia com Maria

Terminara a celebração do 13 de maio na Cova da Iria, em 1991, presidida pelo então Papa João Paulo II.

Três horas de oração intensas haviam unido uma multidão imensa que acorrera a Fátima para fazer a experiência de fé. Uma experiência que se revelaria em múltiplas e diferenciadas expressões mas, naquela hora, com um único denominador – o Papa que se fazia intérprete de todos, de todos tomando dores e esperanças para delas fazer a oferenda comum na renovada consagração da humanidade a Nossa Senhora de Fátima.

Os milhares de lenços brancos do adeus à Virgem tinham recolhido aos bolsos dos peregrinos e estes demandavam já em busca do almoço e do regresso a casa.

Lentamente, a Capelinha das Aparições e o espaço envolvente retomavam o ambiente peculiar em final de peregrinações aniversárias e para muitos constituía o habitual “check-point” destinado ao reencontro de quem se perdera.

O Papa João Paulo II tinha-se desparamentado. Um séquito reduzido preparava-se para o conduzir à Casa de Nossa Senhora do Carmo, onde os bispos portugueses o aguardavam para o almoço.

Entre o “papamóvel” que os seus colaboradores lhe indicavam e o genuflexório aos pés da imagem de Nossa Senhora de Fátima, o Papa Wojtyla escolheu o genuflexório, onde se prostrou em longa contemplação silenciosa.

Este gesto surpreendeu as poucas centenas de peregrinos que tinham decidido aguardar pelo Papa para o aclamarem numa derradeira despedida. De tal modo, que logo se quedaram os murmúrios e todos os olhares se fixaram em comunhão com o silêncio do bispo vestido de branco.

Um manto de sossego envolveu a capelinha e demais espaço envolvente. O Papa rezava mergulhado em oração íntima, completamente alheado do que se passaria em redor.

Nunca saberei se os peregrinos presentes rezaram ou não, mentalmente, em união com o Papa. Tenho, porém, a profunda convicção de que aquele silêncio uniu de uma forma fantástica os presentes, diria mesmo uma união contrastante com o ruído celebrativo da peregrinação multitudinária em que todos tinham acabado de participar.

Passados longos minutos, o Papa despertou do silêncio e surpreendeu-se com o aplauso dos peregrinos que voltaram a aclamá-lo em júbilo.

Ainda hoje sinto dificuldade em explicar aquele silêncio do Papa. Foi um momento mágico que tocou a sensibilidade do cristão, afagou o ego do repórter e lhe proporcionou esse apontamento suplementar de reportagem. Um apontamento que, na altura associei, à emoção de todos perante a vivência de momentos únicos de proximidade com o Papa e de gestos imprevistos/proféticos de João Paulo II.

Mas, 21 anos depois, ao recordar aqui esses momentos, parece-me que, em meus ouvidos, ainda ressoa aquele silêncio através do qual o Papa João Paulo II tocantemente falou.

José António Santos, secretário-geral da Agência Lusa