Mensagem do Papa para o Dia Mundial do Doente

Foto: Agência Ecclesia

Foto: Agência Ecclesia

Cidade do Vaticano, 29 jan 2013 (Ecclesia) – O Vaticano apresentou hoje o programa e a mensagem de Bento XVI para o 21.º Dia Mundial do Doente, que vai ser assinalado dia 11 de fevereiro, na Alemanha.

O presidente do Conselho Pontifício da Pastoral para os Agentes de Saúde, D. Zygmunt Zimowski, destacou o desafio do Papa para que os fiéis façam da iniciativa “um momento particular de reflexão” e de “renovada atenção” a todos aqueles que estão a sofrer.

“O Santo Padre convida as pessoas a deixarem-se interrogar pela figura do Bom Samaritano”, que desafia a uma atitude de “proximidade” e que representa “o amor profundo de Deus por todo o ser humano”, referiu o arcebispo polaco em conferência de imprensa, hoje, no Vaticano.

Na sua mensagem, inspirada na parábola bíblica do Bom Samaritano onde se afirma “Vai e faz tu também o mesmo” (Lc.10, 30-37), Bento XVI sublinha que o Ano da Fé, a decorrer na Igreja Católica até novembro, “constitui uma ocasião propícia para intensificar o serviço da caridade nas comunidades eclesiais”.

Tal como a figura descrita no evangelho de São Lucas, os cristãos devem “saber olhar com compaixão e amor aqueles que têm necessidade de ajuda e de cura”, salientou D. Zygmunt Zimowski.

O Dia Mundial do Doente, celebração instituída por João Paulo II em 1992, é assinalada anualmente pela Igreja Católica a 11 de fevereiro, na festa litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, data que marca as aparições a Bernardette Soubirous, em 1858.

O Papa vai conceder “indulgência plenária” a todos os fiéis que vão participar nas celebrações, entre 7 e 11 do próximo mês, no Santuário de Altoetting, Alemanha.

A decisão foi revelada segunda-feira através de um decreto assinado pelo cardeal Manuel Monteiro de Castro, penitenciário-mor da Igreja Católica, e D. Krzysztof Józef Nykiel, regente do Tribunal da Penitenciária Apostólica.

A indulgência plenária irá abranger todos aqueles que, “com espirito de fé e alma misericordiosa”, a exemplo do Bom Samaritano, “se colocam ao serviço dos seus irmãos que estão a sofrer” e aqueles que “estando doentes, oferecem a sua dor como testemunho de fé”.

A indulgência é definida no Código de Direito Canónico (cf. cân. 992) e no Catecismo da Igreja Católica (n.º 1471) como “a remissão, perante Deus, da pena temporal devida aos pecados cuja culpa já foi apagada”, que o fiel obtém em “determinadas condições pela ação da Igreja”.

O documento publicado pela sala de imprensa da Santa Sé realça que a indulgência irá abranger também “as almas dos fiéis defuntos” e será concedida “uma vez por dia”, mediante a participação nas cerimónias religiosas, na comunhão eucarística e na oração pelas intenções do Papa para o Dia Mundial do Doente.

No programa previsto para aquela iniciativa, na Baviera, destaque para a realização de um Congresso Internacional Científico intitulado “Fazer bem a quem sofre”, que terá lugar nos dias 7 e 8 de fevereiro na Universidade Católica de Eichstätt-Ingolstadt.

Para D. Jean-Marie Mupendawatu, secretário do Conselho Pontifício da Pastoral para os Agentes de Saúde, este congresso será dedicado ao debate e partilha de argumentos de caráter “teológico-ético” e contará com a participação de agentes e responsáveis do setor vindos de toda a Europa.

JCP/PR – Agência Ecclesia

Comentar!

Sobre Apostolado do Oratório

Blog oficial do Apostolado do Oratório dos Arautos do Evangelho, Associação Internacional de Direito Pontifício.
Esta entrada foi publicada em Papa e marcada com a tag , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta