Até na hora da aparente derrota, o Sumo Bem sempre vence

Domingo de Ramos da Paixão do Senhor

Aos louvores da entrada triunfal de Nosso Senhor em Jerusalém logo se sucederam as dores da Paixão. Como explicar este paradoxo?

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, EP

Domingo de Ramos, início das dores

Com a Encarnação do Verbo a obra das trevas conheceu sua ruína. E o confronto entre o bem e o mal encontrará sua arquetipia, até o fim dos tempos, na luta implacável de Nosso Senhor contra os escribas e os fariseus, narrada longamente por todos os evangelistas. O maldito filão do mal encontrou diante de si um Varão que fundou uma Instituição para combatê-lo, o Homem-Deus diante do qual foi obrigado a ouvir as verdades mais contundentes e penetrantes, a ponto de ser-lhe arrancada a máscara da hipocrisia, aos olhos de todo o povo.

Na Liturgia do Domingo de Ramos vamos assistir ao desfecho dessa luta. Nesse dia a Igreja comemora, ao mesmo tempo, as alegrias da entrada triunfal de Nosso Senhor Jesus Cristo em Jerusalém e o início de sua Via Sacra, com a proclamação da Paixão no Evangelho da Missa. Abre-se, assim, a Semana Santa, talvez o período do Ano Litúrgico mais cogente, durante o qual as principais celebrações se sucedem, convidando-nos a considerar com especial fervor os acontecimentos que constituem o cerne de nossa Redenção.

Continue lendo “Até na hora da aparente derrota, o Sumo Bem sempre vence”

Meditação do Primeiro Sábado de outubro 2018

IV  Mistério Gozoso
Apresentação do Menino Jesus no Templo e a Purificação de Maria
Luz e santidade que devem resplandecer em nós


Apresentação do Menino Jesus no Templo. Luis de Vargas. Museu de Belas Artes. Sevilha

Composição de Lugar

Para nossa composição de lugar imaginemos o amplo pátio interno do templo de Jerusalém, iluminado por um raio de sol esplendoroso que incide sobre um jovem casal que ali adentra: a Mãe leva ao colo o Filho recém-nascido, e o pai, uma cesta com um par de pombinhas.

 

Nossa Senhora e São José conduzem o Menino Jesus para ser oferecido ao Senhor. Pouco depois, o Divino Menino é recebido pelo velho Simeão, que o toma comovido em seus braços para apresentá-Lo a Deus.

Continue lendo “Meditação do Primeiro Sábado de outubro 2018”

Meditação para o Primeiro Sábado de maio de 2014

I – Um dos mais belos relatos do Terceiro Evangelho

A Liturgia de hoje nos leva a considerar a beleza da aparição de Jesus aos discípulos de Emaús. Nesta narração, ambos deixam entrever o quanto possuem um coração afetuoso, caritativo e generoso para com um desconhecido que os alcança pelo caminho. Eles não têm qualquer sombra de respeito humano em explicar ao “forasteiro” os principais aspectos da Vida, Paixão e Morte de Jesus, como o próprio desaparecimento de seu sagrado Corpo.

Consideremos o grande respeito que os três manifestam entre si nesse episódio, como também a elevação do tema por eles tratado. Tal convívio contrasta flagrantemente com a vulgaridade de quase a generalidade das conversas em nossos dias.

13 Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado, chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. 14 Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido.

A beleza, o estilo e a delicadeza da narração nos põem diante dos nossos olhos um dos mais belos relatos do terceiro Evangelho. De outro lado, é ela uma excelente prova da Ressurreição de Jesus. Quanto à cidadezinha de Emaús, há uma dezena de hipóteses sobre sua real localização, e não se têm elementos para saber qual é a verdadeira. Guardemos apenas que a distância ficava a 11 quilômetros de Jerusalém.

Provavelmente esses dois discípulos, como também outros, haviam se deslocado para Jerusalém a fim de cumprir os ritos pascais e, depois de visitarem os Apóstolos, retornavam as suas cidades de origem.

Alguns Padres da Igreja levantam a hipótese de ser o próprio São Lucas um deles, e assim se entenderia melhor o motivo pelo qual ele não quis mencionar o nome do segundo discípulo.

1 – Quando dois ou mais estiverem em meu nome…

15 Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus Se aproximou e começou a caminhar com eles.

O Divino Mestre havia prometido, em vida, que estaria presente quando dois ou mais estivessem reunidos em seu nome (cf. Mt 18, 20), verificamos aqui o cumprimento da sua promessa. A conversa entre ambos que tinha algo de oração pelo tema tratado e como era tratado, foi o fator que atraiu o Redentor a Se agregar a eles.

É interessante notar o agrado de Jesus junto aos dois, bem como o recíproco intuito apostólico de lado a lado. Um dos intentos do Divino Mestre era o de robustecer a fé de seus discípulos. Por isso, operando de maneira oculta, “Se aproximou e começou a caminhar com eles” (Leia mais aqui!).

Obs: Se estiver usando o Firefox, dependendo da versão, depois de clicar em (Leia mais aqui!), será preciso procurar o arquivo da meditação na pasta de downloads padrão.

Veja também: Meditação para o Primeiro Sábado de abril de 2014

Meditação para o Primeiro Sábado de fevereiro de 2014

I – Refletindo sobre um verdadeiro mistério

Vamos então colocar-nos diante da perspectiva deste mistério. Porque há aspectos aos quais por mais que nos dediquemos, por mais que nos aprofundemos sempre terão significado acima e além de nossa inteligência.

Jesus está com seus quarenta dias de idade. Maria Santíssima O leva, juntamente com São José, numa viagem a Jerusalém e vão ao Templo. Esse Templo tinha sido reconstruído, não era o Templo original de Salomão; este tinha ido abaixo e, a estas alturas, ele se achava reconstruído por Zorobabel. Quando terminou de ser reconstruído, o povo chorava porque o Templo não era nem de longe o Templo de Salomão. O Templo de Salomão tinha ficado para a História; e esse novo Templo em que Nosso Senhor iria entrar era um muito inferior ao de Salomão. E o povo chorava porque via que aquele edifício sagrado não era como deveria ser. E Ageu — um profeta menor — dizia ao povo: “Por que chorais? Este Templo é muito mais belo e muito melhor do que o de Salomão”.

Qual era a razão pela qual Ageu dizia que aquele Templo era mais belo? — porque o Templo de Salomão não tinha conhecido o episódio que nós hoje vamos meditar, que é o episódio da Apresentação do Menino Jesus no Templo e da Purificação de Nossa Senhora. Essa entrada de Jesus e de Maria e de José nesse Templo, por mais pobre que fosse. Por mais pobres materialmente falando que possam ser esses três personagens, entretanto um é o Criador do Universo, outra é a Medianeira de todas as graças, outro é o Patriarca da Igreja (Leia mais aqui!).

Obs: Se estiver usando o Firefox, depois de clicar em (Leia mais aqui!) encontre o arquivo da meditação na pasta de downloads padrão.

Veja também: Meditação para o Primeiro Sábado de janeiro de 2014