Visita dos Coordenadores de Maringá

Neste último fim-de-semana, uma caravana de Coordenadores do apostolado do oratório da cidade de Maringá-PR, esteve visitando os Arautos do Evangelho aqui em São Paulo.

A caravana visitou a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, matriz-provisória da Paróquia Nossa Senhora das Graças, no Seminário dos Arautos do Evangelho em Caieiras – SP, participando da Santa Missa no domingo, celebrada por Monsenhor João Clá Dias; como também, estiveram presentes na Catedral de São Paulo no sábado, onde participaram da devoção reparadora dos Primeiros Sábados do mês promovida pelos Arautos do Evangelho. Para os nossos amigos  maringaenses, esse foi um Primeiro Sábado muito especial pois, a Santa Missa foi celebrada pelo Cardeal Arcebispo de São Paulo, D. Odilo Pedro Scherer.

Infelizmente, não possuímos as fotografias que ilustram esses dois fatos narrados acima, entretanto, os Supervisores do apostolado do oratório em São Paulo convidaram os nossos amigos para um saboroso almoço na Sede do Apostolado do Oratório. E esse fato sim, vamos ilustrar com fotos!

Ademais do almoço, um surpresa estava reservada para os nossos amigos: a entrega dos medalhões dos Coordenaroes do apostolado do oratório. Clique abaixo e veja  como foi.

O 007O 011O 013O 015O 016O 020O 021O 026O 029

Esperamos que nossos amigos maringaenses tenham gostado da recepção e aproveitado muito esses dois dias em que estiveram em contato com o carisma dos Arautos do Evangelho, e que voltem em breve!

Salve Maria!

Meditação para o Primeiro Sábado de maio

 

A instituição da Eucaristia

  

Eucaristia“Eu sou o Pão vivo descido do Céu…
Quem comer deste Pão, viverá eternamente;
e o Pão que Eu darei é a Minha carne para a salvação do mundo”. (Jo 6, 51).

 

Introdução:

Em união com toda a Igreja no Brasil, escolhemos o tema deste quinto mistério luminoso do Santo Rosário: A Instituição da Eucaristia, porque nos dias 13 a 16 de maio 2010 realizar-se-á, o XVI Congresso Eucarístico, cujo tema é “Eucaristia, Pão da Unidade dos Discípulos e Missionários-Fica Conosco, Senhor”!

 

PREFÁCIO:

Ao comer o fruto proibido, nossos primeiros pais pecaram e entrou no mundo a morte.
Por meio de outro alimento, o “Pão descido do Céu”, foi-nos restituído a vida.
Na Eucaristia, o próprio Deus Se oferece ao homem como comida, dando-lhe infinitamente mais do que havia perdido!

 

I – Jesus é incompreendido…

Como era possível a alguém contestar as claras afirmações de Jesus a respeito de Sua divindade e desprezar os Seus divinos atributos? Como duvidar de Nosso Senhor ante provas tão evidentes: cura de todo tipo de doenças, libertação de possessões diabólicas, ressurreições e outros milagres assombrosos, entre os quais a mudança da água em vinho, ou a multiplicação de pães e peixes, ocorrida pouco depois de anunciar a Eucaristia?
O que levava seus contemporâneos a tal atitude?

 

1 – Quando no homem prepondera a matéria …

 A natureza humana é um composto de espírito e matéria – a alma e o corpo – na qual há uma hierarquia em que a parte espiritual deve governar a material, o que ocorre pela prática da virtude, com o auxílio da graça. Mas, quando o homem se deixa dominar pelas potências inferiores, as paixões desregradas exercem uma tirania sobre a parte mais nobre e elevada, e ele fica entregue ao vício. No primeiro caso predomina o espírito e dizemos estar diante do homem espiritual; no segundo, prepondera a matéria: é o homem carnal, materialista.

 

2 – Psicologia do homenm carnal:

Detenhamo-nos um pouco no segundo caso, procurando descrever alguns traços da psicologia do homem carnal, para melhor compreendermos a dureza de coração dos contemporâneos de Jesus.

O materialista está voltado principalmente para a fruição sensível da vida. Seus horizontes intelectuais pouco mais abarcam do que a realidade concreta. Dir-se-ia ter perdido a capacidade de ver os fatos em três dimensões, passando a observar tudo apenas num plano só, o dos seus pequenos interesses pessoais e imediatos, sem a profundidade do que é eterno. Por isso, não é capaz de captar as realidade mais elevadas, de ordem sobrenatural.

O materialista é um míope do espírito. Torna-se incapaz de elevar o olhar para os grandes horizontes da Fé que Deus lhe oferece misericordiosameente.

 

 3 – Visualização deformada dos contemporâneos de Jesus.

É essa impostação distorcida do espírito que levava os contemporâneos de Jesus a verem nEle apenas o filho do carpinteiro José, e nada mais. Eram incapazes de admirar e venerar Suas excelsas virtudes, nas quais não podia deixar de transparecer Sua divindade, por terem o espírito endurecido pela consideração apenas da realidade concreta, imediata e visível. Não podiam admitir que Aquele que tinham visto crescer e vivia entre eles pudesse ser Deus e homem: “Como, pois, diz Ele: Desci do Céu?” (Jo 6, 42).

 Divisor

 

 

II – O Principal obstáculo para crer na Eucaristia.

Era dessa visualização materialista que nascia a impossibilidade de aceitar o maior dom de Deus à humanidade: a Eucaristia !!

Com efeito, as realidades visíveis são imagens das realidades invisíveis e sobrenaturais, como ensina São Paulo: “Desde a criação do mundo, as perfeições de Deus, o Seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por Suas obras” (Rm 1, 20). Mas, para ter essa visão do universo é necessário ser homem espiritual.

Ora, carnal e voltado para a realidade concreta, não poderia a grande parte do povo judeu compreender quando falava de um “Pão descido do Céu”, que lhes traria a vida eterna. Para eles, a finalidade única do alimento era sustentar a vida material do homem. Seu intelecto dificilmente poderia se alçar a essa verdade transcendente: ao criar o homem com a necessidade de nutrir-se, Deus tinha em vista a instituição da Eucaristia, para poder sustentar, por meio do “Pão descido do Céu”, sua vida sobrenatural.

 

III – O pecado original foi cometido pelo abuso de um alimento; e a salvação eterna nos vem através de outro: a Eucaristia !

 A alimentação, além da finalidade imediata de manter a vida do homem, tem também um importante papel social: o de unir as pessoas. Por exemplo, é em torno da mesa que a família se reúne diariamente e põe em comum, não só os alimentos, mas também os sentimentos, os ideais, o modo de ser e até os problemas caseiros. É à mesa que se desenvolve a conversa e os pais têm uma das melhores ocasiões de ir formando o espírito dos filhos.

 

1- O alimento favorece a união dos que o partilham.

O fato de se sentarem todos juntos para fazer a refeição estabelece um especial traço de união entre os membros de uma família, de um grupo de amigos ou de uma comunidade religiosa, que vai além das simples iguarias para valores mais altos. O alimento possui algo que favorece a união daqueles que o partilham. Os vínculos familiares, sociais ou religiosos se fortalecem e a verdadeira amizade se consolida.

É também em torno da mesa que se realizam as comemorações dos pequenos ou grandes fatos da vida.

 

2 – A morte entrou pelo mau uso do alimento …

Mesmo no Paraíso Terrestre, onde o homem tinha os instintos perfeitamente ordenados, é de se supor que, se não tivesse havido pecado e a vida se desenvolvesse normalmente, também seria em torno da mesa que transcorreriam os melhores momentos do convívio social e familiar.

E como o maior dom de Deus à humanidade seria dado sob a forma de alimento, foi através de um elemento nutriente que o Criador quis pôr à prova nossos primeiros pais, para depois conceder-lhes tão alta dádiva: “Podes comer do fruto de todas as árvores do jardim; mas não comas do fruto da árvore da ciência do bem e do mal, porque no dia em que dele comeres, morrerás indubitavelmente” (Gn 2, 16-17).

É esta a forma caracteristica do agir de Deus. Pede uma pequena renúncia para depois dar, em recompensa, uma infinitude.

 

3 – A Eucaristia a resposta de Deus ao pecado Original.

Quando Adão comeu o fruto proibido, entrou a morte no mundo; por meio do “Pão descido do Céu”, nos foi restituida a Vida: “Quem comer deste pão viverá eternamente” (Jo 6, 51).

O primeiro pecado foi cometido pelo abuso de um alimento, e a salvação eterna nos vem através de outro. A Eucaristia se apresenta como uma resposta, da parte de Deus, ao pecado original, dando aos filhos de Adão infinitamente mais do que haviam perdido: é o próprio Deus que Se oferece em alimento ao homem.

Não há possibilidade de um dar-se maior do que a Eucaristia …

… “E o Pão que Eu darei é a minha carne para a salvação do mundo” (Jo 6, 51b).

 

Meu Deus! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos! Peço–Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam. (Oração ditada pelo Anjo da Paz, aos Três Pastorinhos de Fátima).

 Cfr. Revista Arautos do Evangelho, nº 92, agosto 2009, pp.11-12 – Mons.João S.Clá Dias

 

 IV – A instituição da Eucaristia na Ultima Ceia

 “Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo Tomai e comei, isto é o meu corpo”. Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: “Bebei dele todos, porque isto é meu sangue, o sangue da Nova Aliança, derramado popr muitos homens em remissão dos pecados. Digo-vos: doravante não beberei mais desse fruto da vinha até o dia em que o beberei de novo convosco no Reino de meu Pai”. (Mt.26, 26-29)

 

Que mais poderia nos ter dado Jesus ? Fez-se comida e bebida para podermos participar eternamente da sua própria vida. Desceu do mais alto dos Céus assumindo a substância do pão e do vinho para elevar-nos ao convívio de Deus.

O sacerdote católico recebeu a grande glória de poder emprestar sua laringe e suas mãos ao Divino Mestre, para que, sobre o altar, se opere um dos maiores milagres -e o mais frequente deles- da História da humanidade: a transubstanciação. Quer dizer, a substância pão e a substância vinho cedem lugar à substância Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo.

De fato, pela nossa inteligência, jamais chegaríamos a penetrar nesse mistério tão sagrado. Nem sequer os demônios, que, embora decaídos, são de natureza angélica, e portanto superior à nossa, conseguem discernir nas aparências do pão e do vinho o Homem-Deus. Só mesmo a Fé nos faz penetrar nesse mistério sagrado.(3)

Ao comungarmos, nós nos assemelhamos a Maria, por momentos, possuindo o Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus em nossas entranhas.

 

Aplicação: Nesta meditação somos convidados a progredir muitíssimo no amor ao culto eucarístico, na adoração ao Santíssimo Sacramento, no aprofundamento da piedade, na devoção a Jesus-Hóstia, etc. e tirar desse convivio um proveito enorme para a nossa vida, porque nada consola mais do que a Eucaristia. Por exemplo, peçamos a Nossa Senhora do Santíssimo Sacramento a graça de crescer ardorosamente na devoção eucarística, e de jamais perdermos a oportunidade de comungar com toda a fé, esperança e amor.

 

Coração Eucarístico de Jesus, fonte de toda consolação; tende piedade de nós!

 

Oração final: Ó Maria, Vós que sois a maior devota do Santíssimo Sacramento, ardente de amor a Deus em Vosso Imaculado Coração, nos convidando a sermos devotíssimos da Eucaristia, suplicamos que aceiteis esta meditação em desagravo ao Vosso Sapiencial e Imaculado Coração. Concedei-nos graças sobre graças na linha de compreendermos bem o tesouro que possuímos, o mais belo e o mais essencialmente elevado dos sacramentos e dai-nos um ardor extraordinário pela Eucaristia como Vós tivestes.

Minha Mãe, aqui estamos para que nos transformeis em ardorosos adoradores da Eucaristia!

Assim seja!

 

Visita a Cosmorama/SP

DSC05593

No ano de 2007, os Arautos do Evangelho visitaram a cidade de Cosmorama, no interior de São Paulo, levando em peregrinação a  imagem do Imaculado Coração de Maria, realizando uma Missão Mariana que marcou profundamente a comunidade da Paróquia Santo Antônio, e toda a cidade. 

Como lembrança desta visita, erigiu-se junto à igreja Matriz uma Cruz em pedra, tendo na base uma placa comemorativa, indicando a alegria que trouxe à população católica de Cosmorama, a visita dos Arautos.

O tempo passou e a Missão frutificou. Alguns meses depois, os Arautos regressaram a Cosmorama e encontraram um animado grupo de famílias do Apostolado do Oratório.

O encontro foi realizado no templo paroquial. O Pe. Carlos Nascimento celebrou a Santa Missa para todos os presentes, e logo após, foi projetado o áudio-visual das atividades do Apostolado do Oratório em 2009, suscitando animadas conversas ao término da projeção, sobre o crescimento dos Oratórios em todo o Brasil.

Que Nossa Senhora siga frutificando as graças e os Oratórios em Cosmorama!

Cosmorama 2Cosmorama 3Cosmorama 1DSC05596

Pastoral dos Coroinhas e o Oratório – Entrevista

 

Francisco Wagner Santana Filgueiras, de 17 anos, é o Coordenador da Pastoral dos Coroinhas na Paróquia Menino Jesus de Praga, em Juazeiro do Norte, Ceará.

 

Quando se iniciou o Apostolado do Oratório em Juazeiro do Norte?

Wagner: No ano passado, uma dupla de missionários Arautos visitou várias famílias em Juazeiro e também entrou em contato com a Sra. Ana Claudia e comigo, que freqüentamos a Paróquia Menino Jesus de Praga. Depois de alguns meses, fomos a São Paulo para um encontro de simpatizantes dos Arautos, e voltamos com a idéia de implantar o Apostolado do Oratório aqui.

E como foi?

Wagner: Foi no mês de maio deste ano, aproveitando o mês de Maria. Reunimos as famílias e os coroinhas se comprometeram com os Oratórios. Nessa data começamos também a devoção dos Cinco Primeiros Sábados. O nosso pároco, P. José Alves de Oliveira, dá total apoio ao trabalho e designou o vigário, P. Leonardo, para ser o assistente espiritual dos grupos dos Oratórios. Atualmente temos dois grupos, um de famílias e outro formado pelos jovens coroinhas. E já há um terceiro praticamente formado, esperando o Oratório chegar.

E quais os frutos espirituais do Apostolado do Oratório?

juazeiro-422Wagner: O Oratório dos coroinhas visita a casa dos jovens e nem sempre as famílias são praticantes da religião. Mas os pais gostam de ver os filhos na paróquia. E, por meio dos filhos, evangelizamos os pais. É o grupo de coroinhas que organiza a devoção do Primeiro Sábado, faz a procissão e os pais também participam da Missa. Muitas pessoas estão rezando o terço e nesse dia formam-se filas para as confissões, o que só se via na Semana Santa. Além disso, o Oratório dos coroinhas visita uma vez por mês uma instituição para fazer caridade. No mês passado, os jovens levaram o Oratório ao hospital, agora estamos combinando de visitar um asilo e depois será a penitenciária.

Fale um pouco do Oratório dos adultos.

Wagner: Sim, depois do Oratório, muitas famílias começaram a freqüentar a Missa todos os dias! O Oratório dos adultos visita também as comunidades afastadas da Matriz. No dia da visita, as pessoas se reúnem para a Missa e a capela fica aberta o dia todo recebendo o povo. O cearense é muito devoto de Nossa Senhora e o Oratório é muito bem recebido por todos.

 

Coordenadores do Oratório no interior de São Paulo

Entre janeiro e fevereiro, a dupla dos Arautos do Evangelho que se dedica a visitar os Coordenadores do Oratório das várias regiões do Brasil, reuniu-se com diversos grupos do interior de São Paulo.

Nessas visitas, os Arautos realizam conferências com os grupos do Oratório, onde tratam de temas relativos à devoção a Eucarística, à devoção a Nossa Senhora, como também, ajudam na organização dos Oratórios na cidade.

Para os Párocos, essa visita é muito importante pois, com o desabrochar do Apostolado do Oratório na Paróquia, muitas dúvidas práticas vão surgindo, tais como: quem deve levar o Oratório de uma família até a outra, é o Coordenador do grupo? Uma família pode mudar o dia em que recebe o Oratório? Ou, tal outra família quer ficar dois dias com o Oratório, e tantas outras dúvidas que vão surgindo, as quais, o Pároco não tem como resolver, daí, a grande ajuda que os Arautos do Evangelho oferecem aos sacerdotes.

Abaixo, colocamos a fotografia de alguns grupos que foram visitados pela dupla dos Arautos:

Nova Europa - Jan. 2010Em Nova Europa, Diocése de São Carlos, os Arautos visitaram o grupo do Oratório da Paróquia do Sagrado Coração de Jesus.

A visita realizou-se no último dia 25 de janeiro, dia em que a Igreja celebra a conversão de São Paulo.

O tema da reunião foi de perseverança na devoção a Nossa Senhora. Aproveitou-se para fazer algumas atualizações de dados.

Guaratingueta - SP-  Par. Na. Sra. Lourdes 9.02.10Em Guaratinguetá, a dupla dos Arautos visitaram os grupos de duas Paróquias: Nossa Senhora de Lourdes e São Francisco de Assis.

No dia 8 de fevereiro, a visita foi na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes (foto ao lado), onde reuniram-se 25 participantes do Apostolado do Oratório para uma reunião sobre a Devoção a Nossa Senhora e a devoção dos Primeiros Sabados do Mês.

Guaratinguetá - SP - 11.02.2009 - Par. S. Francisco de Assis (2)No dia 10 de fevereiro, foi a vez dos coordenadores da Paróquia São Francisco de Assis.

A reunião foi realizada no salão paroquial.

Nesta ocasião, foi projetado o áudio-visual das Atividades do Apostolado do Oratório no ano de 2009.

Todos gostaram muito e ficaram impressionados com o crescimento dos Oratórios em todo o Brasil.

Botucatu - SP - Par. Na. Sra. Aparecida - Jan. 2010Estávamos nos esquecendo da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Botucatu.

No dia 26 de janeiro, a dupla dos Arautos fez uma reunião para 20 pessoas, versando sobre o tema da Devoção Eucarística e a Nossa Senhora.

No final, houveram participantes do Oratório que não perderam a oportunidade para tirar uma fotografia junto à Imagem do Imaculado Coração de Maria.

Areiópolis - SP - fev. 2010 (2)No dia 22 de feveiro, dia em que a Igreja comemora a festa da Cátedra de São Pedro, e dia em que os Arautos comemoram a sua Aprovação Pontifícia, a dupla esteve visitando os Coordenadores da Paróquia Santa Cruz, em Areiópolis.

Ademais de tratar de temas sobre devoção eucarística e Nossa Senhora, como também, responder a várias perguntas, foi projetado para os Coordenadores o áudio-visual das Atividades do Apostolado do Oratório no ano 2009.

Guarantã - SP. 1.03.10 (1)No primeiro dia do mês de março, a Paróquia de Santa Terezinha,  no município de Guarantã, recebeu a visita da dupla dos Arautos do Evangelho.

A reunião foi feita na própria igreja. O tema tratou sobre as dificuldades que enfrentamos em nosso apostolado, e a perseverança que devemos ter no nosso desejo de ajudar aos demais.

Essa visita foi de muito proveito para os Coordenadores mas, sobretudo, para a dupla dos Arautos pois, nesses encontros, tanto os Arautos como os Coordenadores recebem especiais graças de Deus, que nos são alcançadas por meio de Nossa Senhora.

Essas foram apenas algumas visitas que colocamos hoje no Blog do Apostolado do Oratório. Ainda colocaremos outras que a dupla realizou neste período. E para esse ano de 2010, muitos grupos do Oratório estão pedindo a visita dos Arautos do Evangelho; queira Nossa Senhora, seja possível atender a todos.

O fundador comenta

Aproxima-se o tempo da Quaresma. São 40 dias de preparação para a Semana Santa, onde celebraremos a Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo. 

Sendo esse um tempo de penitência, no qual a Igreja exorta os fiéis a refletir sobre sua vida íntima e ver quais são os pontos em que deve melhorar, e portanto, pedir a Deus o auxílio para uma mudança de vida, publicamos nos dias que antecedem a Quaresma de 2010, um comentário de nosso fundador, Monsenhor João Clá Dias, EP, sobre a parábola do Filho Pródigo, para ajudar os nossos leitores a entrarem nesse tempo litúrgico considerando esse extraordinário sacramento que Nosso Senhor Jesus Cristo nos deixou: a confissão.

*               *               *

 

Monsenhor JoãoO Filho Pródigo e a confissão

 

De maneira singela, mas com beleza literária insuperável, a Parábola do Filho Pródigo (Lc 15, 1-3; 11-32) nos conta a história de um pai e dois filhos, um dos quais fará o papel de equilibrado, sensato, honesto e fiel, e o outro de apaixonado, dissoluto e esbanjador ou pródigo.

O pai é apresentado como possuidor de um coração sábio, afetuoso e até maternal, a ponto de não manifestar a menor estranheza com o pedido do filho, e, portanto, de não tentar dissuadir seu caçula de exigir a herança a que tinha direito. O Evangelho de Lucas nos narra a história:

“Passados poucos dias, juntando tudo o que era seu, o filho mais novo partiu para uma terra distante e lá dissipou os seus bens vivendo dissolutamente. Depois de ter consumido tudo, houve naquele país uma grande fome, e ele, começou a sofrer necessidade. Foi pôr-se a serviço de um habitante daquela terra, que o mandou para os seus campos guardar os porcos. Desejava encher o seu ventre das alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava. Tendo caído em si, disse: Quantos diaristas há em casa de meu pai que têm pão  em abundância e eu aqui morro de fome! Levantar-me-ei, irei ter com meu pai.”

A fome, a dor e a provoção, acompanhadas da graça de Deus, bem podem nos conduzir a um raciocínio equilibrado, e produzir em nós uma real conversão e emenda de vida. Volta então o filho à casa paterna e as reações do pai acolhendo de volta seu filho que estava perdido, não poderiam ser mais comovedoras em matéria de bondade e de ternura. Certamente há muito ansiava revê-lo e por ele rezava.

O recém-chegado apresentava-se como um maltrapilho, nada limpo, em condição totalmente imprópria para ser abraçado. Entretanto o pai lançou-se ao pescoço do filho e o cobriu de beijos. O filho, além  de ter-se esquecido de seu pai, havia esbanjado seus bens. É a imagem do efeito do pecado na alma de um batizado: o despoja dos méritos e da virtude e o mancha com a lama da ofensa a Deus. Mas o filho confessa suas faltas e pede o perdão ao pai.

Ao acusar suas misérias no confessionário e receber a absolvição, o homem, tal como o filho arrependido, é revestido dos mais preciosos tecidos de reconciliação, as sandálias do mérito lhe são devolvidas e o anel de filho de Deus recolocado em seu dedo.

O pai com alegria faz uma festa para recebê-lo: “Haverá maior alegria no céu por um pecador que fizer penitência que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento” (Lc 15, 7)

(Extraído do Boletim Informativo do Apostolado do Oratório, “Maria Rainha dos Corações”, n° 24)

 *              *              *