Sacrários e sacrários

O sacrário é como a pedra angular do templo, da mesma forma que a Eucaristia é da Igreja, corpo místico de Cristo e povo santo de Deus

Pe. Rafael Ramón Ibarguren Schindler*, EP

Sacrário da Igreja Nossa Senhora de Fátima dos Arautos do Evangelho em Togancipá – Colombia

Sabemos que o Sacrário é o lugar destinado à reserva da Eucaristia nas igrejas. O Direito Canônico estabelece que seja sólido, não transparente e inviolável.

O número 1379 do Catecismo da Igreja Católica nos oferece um belo resumo sobre o assunto: “O sacrário foi primeiramente destinado a manter a Eucaristia dignamente para que pudesse ser levado aos enfermos e ausentes fora da Missa.

Ao aprofundar a fé na presença real de Cristo em sua Eucaristia, a Igreja tomou consciência do significado da adoração silenciosa do Senhor presente sob as espécies eucarísticas. Portanto, o sacrário deve ser colocado em um lugar particularmente digno da igreja; deve ser construído de modo a sublinhar e manifestar a verdade da presença real de Cristo no santíssimo sacramento. “

Nós vemos nesta apresentação cuidadosa elementos da história, liturgia e teologia. Nós resgatamos de tudo isso, o fato de que o sacrário é uma verdadeira preciosidade, não precisamente por causa do valor material que eventualmente tem, mas por causa da divindade infinita que ele mantém. Há magníficos sacrários e outros que são simples; há valiosos e também humildes, artísticos e também de gosto duvidoso … De qualquer forma nossa atenção deve estar voltada não tanto para esses acidentes, mas para o Visitante que hospeda ou, se preferir, sobre o Anfitrião que de sua câmara recebe: o mesmo Jesus.

Bento XVI, na Exortação Apostólica pós-sinodal “Sacramentum Caritatis”, em seu 69, ensina:

“É necessário que o lugar onde as espécies eucarísticas sejam preservadas seja facilmente identificado por qualquer um que entre na igreja, também graças à lâmpada acesa. Para fazer isso, devemos levar em conta a estrutura arquitetônica do edifício sagrado: em igrejas onde não há capela do Santíssimo Sacramento, e o sacrário está no altar-mor, é conveniente continuar usando essa estrutura para a conservação e adoração da Eucaristia, evitando colocar em frente à sede do celebrante.

Altar da Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima – Cotia/SP

Nas novas igrejas é conveniente prever que a capela do Santíssimo Sacramento está perto do presbitério; se isso não for possível, é preferível colocar o sacrário no presbitério, alto o suficiente, no centro da abside, ou em outro ponto onde seja claramente visível “. A Igreja quer incentivar nos fiéis o culto ao Santíssimo Sacramento, desde os sacrários.

É muito claro e familiar que no altar o Senhor é adorado sob as espécies consagradas durante a missa; também sabemos que quando a comunhão sacramental é recebida, é um momento privilegiado para o serviço de adoração.  E o mesmo se dá quando a Hóstia Santa é ostentada na custódia, entendemos que devemos nos preparar para adorá-lo com o maior respeito e a maior reverência.

Mas acontece que muitas vezes esquecemos que no sacrário, no sacrário onipresente que nunca está faltando nos templos, a adorável Pessoa de Jesus Cristo também está esperando por mim. Porém, quantos equívocos em relação aos sacrários! Tantos fiéis entram na igreja e não fazem diante dEle a genuflexão, ou pelo menos uma simples vênia, ou mesmo um olhar afetuoso fugaz. As atenções se voltam para outras coisas: para os meus interesses, para as pessoas presentes, para as imagens dos santos (no melhor dos casos …) enfim, para mil coisas circunstanciais … enquanto o centro das atenções que deveria ser o Senhor presente, passa despercebido.

O sacrário é como a pedra angular do templo, da mesma forma que a Eucaristia é da Igreja, corpo místico de Cristo e povo santo de Deus. Há algo que tem a mesma ou maior consequência: é que cada um que comunga, ao que parece, é também um sacrário, um sacrário vivo! Durante o tempo em que as espécies sagradas permanecem em seu peito, a pessoa é transformada em um sacrário onde os anjos adoram o Senhor.

Maria Santíssima foi um sacrário não só durante os nove meses da gestação do seu Divino Filho. Foi também depois de ter recebido a comunhão eucarística pela primeira vez, desde que Jesus permaneceu ininterruptamente dentro dela, até a sua Assunção ao céu. E no reino celestial, você continuará com Jesus dentro de seu corpo glorioso? Deixe a teologia estudá-lo e dizê-lo …

Este privilégio de partículas que não se degradam e perpetuam a presença real, é uma graça singular, apropriada à qualidade da Mãe de Deus.

A Igreja nos ensina que Cristo cumulou sua Mãe com a abundância de todos os carismas celestiais, extraídos do tesouro da divindade, muito acima de todos os anjos e santos.

Aqui está um carisma, um dos mais excelentes. A piedade e a razão nos levam a pensar que não é inapropriado que algo assim aconteça … e que isso certamente aconteceu. Também houve santos que foram favorecidos pela presença constante da Eucaristia dentro deles. Um deles foi Santo Antônio Maria Claret, fundador dos Missionários do Imaculado Coração de Maria. Assim, o santo descreve este fenômeno singular:

“Em 26 de agosto de 1861, permanecendo em oração na igreja do Rosário da Fazenda, às 7 horas da tarde, o Senhor me concedeu a grande graça de ter sempre, dia e noite, o Santíssimo Sacramento no peito e de mantê-lo de uma comunhão para outra “.

Sacrários de bronze, pedra, madeira … sacrários vivos de carne!

Assunção, março de 2019

_________________
*Conselheiro de Honra da Federação Mundial das Obras Eucarísticas e da Igreja.

Sobre Apostolado do Oratório

Blog oficial do Apostolado do Oratório dos Arautos do Evangelho, Associação Internacional de Direito Pontifício.
Esta entrada foi publicada em A palavra do sacerdote, Arautos do Evangelho, Espiritualidade, , Nossa Senhora, Nosso Senhor Jesus Cristo, Sem categoria, Verdades eternas e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta