O Purgatório existe

Há pessoas que ainda duvidam da existência da vida eterna…

Por Gaudium Press. Quantas vezes ouvimos dizer que o purgatório e o inferno não existem, que foi uma história inventada para assustar as pessoas ou para controlá-las através da religião. Afinal, Deus é misericórdia e perdoa a todos. Não, jamais iria criar um lugar de tormentos. Isso é uma invenção dos fanáticos religiosos.

No entanto, a realidade é outra…

Continue lendo “O Purgatório existe”

A Eucaristia, eixo da piedade católica

Por Padre Rafael Ramón Ibarguren Schindler*, EP. No blog dos Arautos do Evangelho da Colômbia** encontrei um escrito maravilhoso sobre o Santíssimo Sacramento e quero compartilhar aqui com todos, uma vez que neste dia 11 celebraremos a Solenidade de Corpus Christi.

O texto reproduz trechos de uma conferência de um declarado adorador, o Professor Plínio Corrêa de Oliveira. Já que a matéria apresenta um grande interesse, reproduzo trechos significativos.

Continue lendo “A Eucaristia, eixo da piedade católica”

A fé e a verdadeira paz

II Domingo da Páscoa

É para nosso benefício que os Apóstolos viram Jesus ressurrecto, creram na Ressurreição e dela deram testemunho: para que nós, acreditando, tenhamos a vida eterna

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, EP. Fundador dos Arautos do Evangelho

“Estando fechadas as portas”

19 Chegada a tarde daquele mesmo dia,
que era o primeiro da semana, e estando
fechadas as portas da casa onde os discípulos
se encontravam juntos, por medo dos judeus,
foi Jesus, colocou-Se no meio deles e disse-lhes:
“A paz esteja convosco!”

Devido a motivos vários, a redação dos Evangelhos, embora de uma precisão insuperável, é sintética. Por um sábio sopro do Espírito Santo, seus autores escolhem não só os termos ideais, como também os aspectos essenciais e mais importantes dos episódios narrados para transmitir aos fiéis a mensagem inspirada. Vemos, por exemplo, como é expressiva esta sucinta afirmação: “Estando fechadas as portas”.

Medo e insegurança dos Apóstolos

Muitos são os comentaristas que ressaltam esse particular. Beda mostra que o motivo da dispersão dos Apóstolos, por ocasião da Paixão — o temor dos judeus —, é o mesmo que os mantém depois reunidos e com as portas fechadas. Segundo Crisóstomo, o medo entre eles deveria ter aumentado de intensidade, ao cair da tarde.

Continue lendo “A fé e a verdadeira paz”

A necessidade da contínua conversão

III Domingo da Quaresma

Deus é Paciência e usa de longanimidade para conosco, dando-nos tempo mais do que suficiente para nos convertermos. Mas, sendo também Sabedoria e Justiça, sabe como e quando castigar

Monsenhor João Scognamiglio Clá Dias, EP

Cristo e os Apóstolos – Museu Episcopal de Arte Religiosa – Cuzco – Peru

Deus quer dar-nos a vida eterna

Deus é sumamente comunicativo e “não cessa de chamar todo homem a procurá-Lo para que viva e encontre a felicidade”. Deseja entrar em contato conosco e tem por nós um amor gratuito, incomensurável e incondicional, que perdoa as infidelidades até o extremo de Nosso Senhor afirmar haver mais alegria no Céu pela conversão de um pecador do que pela perseverança de noventa e nove justos (cf. Lc 15, 7).

“Não quero a morte do pecador, mas que ele se converta e tenha a vida” (Ez 33, 11), diz a Sagrada Escritura. Esse pensamento expresso através da Revelação deve nos encher de confiança, qualquer que seja nossa situação espiritual.

Continue lendo “A necessidade da contínua conversão”

Fátima, Primeiro Sábado e a devoção do Rosário

Três devoções intimamente ligadas à concessão das graças de salvação para todos nós

Ir. Carlos Eduardo, EPDevoção dos Primeiros Sábados

Em 1917, em Fátima, a Santíssima Virgem transmitiu ao mundo sua Mensagem. Nela se destaca o pedido de conversão sincera e mudança de vida, junto com a prática de devoção dos Primeiros Sábados. Disse a Virgem Santíssima à Irmã Lucia:

Continue lendo “Fátima, Primeiro Sábado e a devoção do Rosário”

Meditação do Primeiro Sábado de setembro 2018

IV Mistério Doloroso
Nosso Senhor carrega a Cruz às costas
Justos e pecadores carregam sua respectiva cruz

Introdução

No cumprimento de nossa devoção do Primeiro Sábado, tendo em vista a Festa da Exaltação da Santa Cruz celebrada no dia 14 de setembro, meditaremos o 4º Mistério Doloroso: Nosso Senhor carrega sua Cruz até o Calvário.

Jesus não recusa a cruz, abraça-a até com amor, sendo ela o altar destinado para que Ele consuma o sacrifício de sua vida pela salvação dos homens. A partir de então, essa mesma cruz passou a ser o símbolo da sua vitória sobre a morte e o pecado, o sinal de glória de todos aqueles que seguem o Cordeiro de Deus ao longo da história humana.

Jesus carregando a Cruz. Igreja Cristo dos Milagres de Lima, Perú

Resultado de imagem para nossa senhora de fatima chora arautos

Oração Preparatória

Ó Virgem Santíssima de Fátima, nossa Mãe e Corredentora que acompanhastes com indizível desvelo materno a via dolorosa de vosso Divino Filho rumo ao Calvário, alcançai-nos as graças necessárias para bem realizarmos essa meditação e dela colhermos todos os frutos para a nossa santificação, compreendendo o precioso valor do instrumento de sacrifício de Jesus, símbolo de glória e vida eterna para todos nós.

Amém

Clique acima e baixe o texto da Meditação