Consagre-se a Nossa Senhora

No mês de Maio, Mês de Maria, participe no Curso online para a Consagração a Nossa Senhora, com o Pe. Ricardo Basso, segundo o método de São Luís Grignion de Monfort.

Será de 1 a 27 de Maio, e no dia 28 de maio faremos a nossa consagração. Coloque-se sob a proteção de Nossa Senhora, e progrida no seu relacionamento com a Santíssima Virgem. É inteiramente gratuito. Inscreva-se já em: https://consagracao.arautos.org/2

Compartilhe!

A ressurreição de Lázaro

V Domingo da Quaresma

O grande amor de Jesus àquela família de Betânia tornava incompreensível sua aparente indiferença perante a enfermidade de Lázaro. Mas quando Deus tarda em intervir é por razões mais altas e porque certamente nos dará com superabundância

Mons. João S. Clá Dias, Fundador dos Arautos do Evangelho e do Apostolado do Oratório

 


O porquê dos milagres

Ao conceder a um taumaturgo a faculdade de realizar milagres, explica São Tomás, Deus tem por objetivo “confirmar a verdade por este ensinada”. O motivo principal se encontra na fé, pois a razão humana não tem suficiente altura para acompanhar os horizontes dessa virtude, e por isso muitas vezes é necessário serem as afirmações de caráter sobrenatural confirmadas pelo poder de Deus.

Continue lendo “A ressurreição de Lázaro”

Boletim Informativo março/abril 2020


Supremo objeto das complacências divinas

No Evangelho da Anunciação encontramos o Anjo São Gabriel aquietando a perturbação de Nossa Senhora com as palavras: “encontraste graça diante de Deus” (Lc 1, 30). Ora, o que significa essa expressão? Encontrar graça diante de Deus é, antes de tudo, ser objeto das complacências do Altíssimo. Mas, como para Ele tudo é presente, da palavra do Anjo devemos concluir ter sido assim desde toda a eternidade: a Santíssima Virgem estava, de fato, inserida no projeto da Encarnação.

Continue lendo “Boletim Informativo março/abril 2020”

Santidade e Eucaristia


Por Padre Rafael Ramón Ibarguren Schindler*. Qual é a gênese, a origem, a base sobre a qual se assenta a santidade, aspiração de todo batizado? Parte de um reconhecimento sincero do nada da miséria humana, e do encanto pela totalidade única e benevolente que é Deus. O cântico do Magnificat proclamado pela Santíssima Virgem, é como a rocha firme sobre a qual se constrói o edifício da santidade. Essa disposição de espírito humilde e agradecida, constitui o preâmbulo necessário para ser Santo, antes mesmo da prática dos mandamentos, do exercício das obras de misericórdia, ou da compreensão dos artigos do Credo. Sem humildade e sem o poder de Deus que nos auxilia com sua graça, não há mérito nem há santidade.

Continue lendo “Santidade e Eucaristia”

O Rosário. A oração que move montanhas

Há uma confiança heroica pela qual não desistimos de esperar, apesar de tudo. Por vezes, essa confiança faz a alma “sangrar”, mas ela continua a confiar

Plínio Corrêa de Oliveira


Por vezes essa confiança nos faz dizer: “A promessa interior, inefável, que Nossa Senhora me fez não falhará. Confiarei e cumprirei a minha missão. Eu confio na palavra d’Ela!”

Continue lendo “O Rosário. A oração que move montanhas”

Mãe de Deus e nossa Mãe

Maternidade Divina de Nossa Senhora

Deus, estabelecendo a união hipostática com a natureza humana, dignificou toda a Criação. Ele quis que essa união se operasse no seio virginal de Maria Santíssima, Aquela que supera todas as meras criaturas

Plínio Corrêa de Oliveira


A importância da Maternidade Divina  para a piedade católica está em que todas as graças extraordinárias pela Virgem Maria recebidas, que fizeram d’Ela uma criatura única em todo o universo e na economia da salvação, têm como título e ponto de partida o fato de Maria ser Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Essência da devoção mariana

Deus eterno, perfeito, cria os Anjos e, abaixo deles, os homens.

Mas a Encarnação, a união hipostática, é estabelecida não com Anjos, mas com a natureza humana. Parece uma contradição, pois a dignidade superior dos Anjos pediria que a união hipostática fosse feita com o mais alto dos coros angélicos.

Continue lendo “Mãe de Deus e nossa Mãe”