Meditação para o Primeiro Sábado de outubro de 2014

I – A exemplo de Maria, quantas vezes recebemos o convite de Deus

Maria nos dá o exemplo do quanto nós devemos ser sensíveis, flexíveis à ação da graça para estarmos sempre prontos para atender as inspirações que Deus põe em nossas almas.

Quantas e quantas vezes, ao longo de nossa vida, temos essas ou aquelas inspirações, temos esses ou aqueles toques interiores da graça, sentimos em nossa alma que devemos, para seguir os passos de Nosso Senhor, abandonar tudo o que d’Ele nos afasta.

Nossa Senhora foi visitar Santa Isabel não porque pudesse haver qualquer resquício de dúvida sobre o que tinha dito o Anjo, ou então que este a tivesse enganado. Jamais isso teria acontecido. Ela foi visitar a prima porque recebeu uma inspiração de fazê-lo; foi tocada por uma graça, recebendo, assim, um impulso em seu interior e obedecendo a este prontamente.

Maria tinha dentro de si o próprio Deus. A Segunda Pessoa da Santíssima Trindade estava presente no claustro virginal. Por isso, quanta razão tinha Ela para ficar em casa contemplando o Messias que estava sendo gerado em seu interior. Entretanto, recebida a comunicação do Anjo não titubeou, pôs-se a caminho.

Naqueles dias, Maria se levantou e foi às pressas às montanhas…

Uma das razões de sua pressa em partir, era porque Ela queria servir de instrumento para a santificação de São João Batista mesmo antes dele nascer.

De fato a cidade de Santa Isabel ficava em uma região montanhosa e distante da cidade de Nazaré. Até lá eram de três a quatro dias de caminhada. Era portanto uma viagem penosa e difícil, mas Maria tudo o supera alegremente, pois a Aurora tão esperada, germinava no seu seio puríssimo.

Exemplo magnífico para nós, quando formos tocados por uma graça para seguir um determinado caminho; ou quando formos tocados por alguma inspiração de Deus e somos convidados a abandonar uma situação que nos é agradável ou uma situação que nos leva ao pecado, sejamos rápidos, tenhamos pressa e imitemos a Nossa Senhora na sua predisposição de cumprir o dever (Leia mais aqui!).

Obs: Se estiver usando o Firefox, dependendo da versão, depois de clicar em (Leia mais aqui!), será preciso procurar o arquivo da meditação na pasta de downloads padrão.

Veja também: Meditação para o Primeiro Sábado de setembro de 2014

Essencial importância da fidelidade à graça para a vida espiritual

Foto: Arautos do Evangelho

Fidelidade à graça Se percorrermos os tratados de vida espiritual, veremos que o problema crucial para progredir no caminho da perfeição sobrenatural é a fidelidade às graças recebidas.

Afirma um grande teólogo de nossos dias, Pe. Antonio Royo Marín, O. P., em sua obra Teologia da Perfeição Cristã, que assim como nos seria impossível respirar sem o ar, sem a graça de Deus nos seria impraticável um único pequeno ato sobrenatural, por exemplo, um mero gesto de caridade para com o próximo. Desta forma, durante as 24 horas do dia, estamos recebendo graças de Deus que, como ao “moço rico” do Evangelho, convidam-nos a seguir Nosso Senhor! É preciso, isso sim, sermos fiéis a esse constante apelo divino.

Como consegui-lo?

Devemos inicialmente, ensina a Santa Igreja, desejar com docilidade recebermos as graças que podem nos transformar, cooperando com elas generosamente.

Deus, na economia normal de sua Providência, subordina as graças posteriores que Ele quer nos dar, ao bom uso que damos às anteriores. A simples infidelidade a uma graça pode cortar toda a sequência das que Deus nos daria sucessivamente, ocasionando uma perda de consequências imprevisíveis, como aconteceu com o “moço rico”.

Ainda segundo o Pe. Royo Marín, “no céu veremos como a imensa maioria das santidades frustradas — melhor dizendo, absolutamente todas elas — malograram por uma série de infidelidades à graça — talvez meramente veniais, mas plenamente voluntárias —, que paralisaram a ação do Espírito Santo, impedindo-O de levar a alma até o ápice da perfeição.”

Trecho do artigo “A Chave de Ouro” de Humberto Luís Goedert – Revista Arautos, nº7 – julho de 2002.

Comentar!

 

Bento XVI: Ano da Fé deverá ser um «verdadeiro momento de graça» para a Igreja

Cidade do Vaticano, 11 set (Ecclesia) – Bento XVI desafia os cristãos a fazerem do Ano da Fé, com início marcado para 11 de outubro, uma ocasião de comunhão e de crescimento numa entrega inabalável a Deus, à imagem de Maria.

Numa nota publicada pela sala de imprensa da Santa Sé, o Papa sublinha a importância de transformar a celebração num “verdadeiro momento de graça”, com a ajuda da Mãe de Deus, “farol luminoso e modelo de plenitude e maturidade cristã”.

A comemoração do Ano da Fé, convocada pela Igreja Católica para ajudar os fiéis a viverem “com maior empenho e coerência” a sua “vocação de filhos de Deus”, coincide com a passagem do 50º aniversário da realização do Concílio Vaticano II (1962-1965).

Bento XVI teve a oportunidade de participar na última grande reunião das autoridades eclesiásticas, que contribuiu decisivamente para a afirmação de Nossa Senhora enquanto ponto de referência para a Igreja.

Durante a reunião conciliar, um dos principais pontos em debate foi “a figura e o papel da Virgem Maria na história da salvação”.

Segundo o Papa, um grupo de padres queria que a matéria fosse tratada dentro da Constituição Dogmática sobre a Igreja, enquanto outro grupo defendia a elaboração de um documento à parte, mais aprofundado.

A primeira opção acabou por prevalecer e a Constituição Lumen Gentium (Luz dos Povos) foi completada com um capítulo sobre Maria enquanto “geradora do Filho de Deus, filha predileta do Pai e sacrário do Espirito Santo”.

“Certamente, o texto conciliar não esgota todas as problemáticas relativas à figura da Mãe de Deus, mas constitui o horizonte hermenêutico essencial para qualquer reflexão, seja de caráter teológico, seja de caráter mais estritamente espiritual e pastoral”, destaca Bento XVI.

O Papa deixou estas notas pessoais sobre o Ano da Fé, o Concílio Vaticano II e Nossa Senhora durante uma audiência concedida a cerca de 350 participantes do 23º Congresso Mariológico Mariano Internacional, que terminou este domingo em Roma.

O Ano da Fé vai concluir-se a 24 de novembro de 2013 e assinala também o 20.º aniversário da publicação do Catecismo da Igreja Católica.

JCP – Agência Ecclesia

São Luís de Gonzaga

São Luis de GonzagaPrimogênito do Marquês de Castiglione delle Stivieri, Luís de Gonzaga nasceu em 9 de março de 1568. Ainda criança, interessou-se pela carreira das armas, a exemplo de seu pai. Este o levou, aos 4 anos, a presenciar manobras militares. O menino ficou tão entusiasmado que, sem ninguém perceber, carregou uma peça de artilharia e deitou-lhe fogo! Por pouco escapou de ser massacrado pelas rodas da pesada carreta.

Mas aos 7 anos, perdeu o gosto pelas coisas do mundo e decidiu dedicar- se a Deus. Essa decisão foi tão bem cumprida que São Roberto Belarmino, seu diretor espiritual, declarou nunca haver ele cometido um único pecado mortal.

Em 1583, ouvindo claramente em sua alma o chamado da graça, decidiu ingressar nas fileiras da Companhia de Jesus.

A isto se opôs duramente seu pai. Luís, porém – com firmeza e tato, e contando com o apoio de sua mãe – venceu essa batalha. Aos 17 anos, renunciou a seu título de marquês e partiu para Roma, a fim de fazer o noviciado.

Foi modelo de castidade, obediência e humildade. Embora tão jovem, tinha a saúde abalada pelas rigorosas penitências, a ponto de ser necessária a vigilância dos superiores para moderá-las.

Fez os votos solenes em 1587.

Em 1591, Roma foi assolada por terrível peste. Os jesuítas abriram um hospital em que todos os membros da Ordem, inclusive o próprio Superior Geral, prestavam socorro às infelizes vítimas.

São Luís, então, atendia os doentes no hospital, limpando suas chagas, arrumando os leitos e preparando-os para confessar-se. Contraiu, assim, a doença que em três meses o levou à morte. Entregou alegremente sua alma ao Criador em 21 de junho, aos 23 anos, com os olhos postos num crucifixo e o santo Rosário na mão. O Papa Pio XI proclamou-o patrono da juventude cristã.

Fonte: Revista Arautos do Evangelho nº 18, junho de 2003.

Comentar!

Veja também: Santa Gemma Galgani

Meditação para o Primeiro Sábado de julho

(Preparação do texto para a meditação: J. B. Gioffi)

Vamos dar inicio a meditação reparadora do primeiro sábado, que nos foi indicada por Nossa Senhora, quando apareceu em Fátima no ano de 1917. Pedia Ela que comungássemos, rezássemos um terço, fizéssemos meditação dos mistérios do Rosário e confessássemos em reparação ao seu Sapiencial e Imaculado Coração. Para os que praticassem esta devoção, Ela prometia graças especiais de salvação eterna. A meditação visa contemplar um dos mistérios do Rosário, fazendo com que o Coração Imaculado de Maria se sinta aliviado, se sinta reparado de tantos pecados de tantos horrores, de tantas imoralidades, tantos delírios que se cometem nos dias de hoje. Ou seja, é importante que além da confissão, da comunhão, além do terço que rezamos, meditemos, considerando todas as maravilhas que Deus operou na sua alma santíssima.

 

Cristo AmiensTerceiro mistério luminoso:

 

Anuncio do Reino de Deus e o convite à conversão.

 

“Jesus dirigiu-se para a Galiléia. Pregava o Evangelho de Deus e dizia: completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo; fazei penitência e crede no Evangelho.” 
 (Mc. 1, 14-15)

 

 

Oração Inicial

Oh! Virgem Santíssima, queremos reparar o Vosso Sapiencial Coração e para isso pedimos especiais graças, por causa de tantas ofensas que recebeis continuamente desta humanidade que se encontra perdida entre tantos pecados e tantos horrores.
Assim sendo, Senhora, é também através desta meditação que poderemos aproximar de nosso fim último, aquele para o qual fomos criados. Para isso, pedimos luzes especiais para a nossa inteligência, entusiasmo para nossa vontade, consolação para a nossa sensibilidade, a fim de contemplarmos bem este mistério do Rosário que hoje vamos meditar; e estejais presente, Senhora, a cada passo da nossa vida.
Assim seja!

 

 I – O que vém a ser o Reino de Deus?


Buen Dieu“Eis um ensinamento novo, e feito com autoridade; além disso, ele manda até nos espíritos imundos e lhe obedecem!”
(Mc. 1, 27)

 

Curava estas e aquelas doenças com tal eficácia, que nenhum médico, hospital ou qualquer medicamento conseguia fazer igual.

Curava, perdoava os pecados, expulsava os demônios ensinando que era preciso todos se preparassem porque o Reino de Deus estava próximo.

Mas o que é propriamente este Reino? Vamos nos aprofundar no conhecimento e significado exatos do que possa ser este Reino.

Os judeus a partir do ano 587 perderam o seu último rei. Desta data até a vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo, não tiveram mais um governo independente, com exceção de um curto período na época dos Macabeus. Por isso, o que os judeus mais queriam era a restauração de um reino humano. Contudo não era deste reino que Jesus falava; Ele se referia ao Reino da Graça, ao Reino da Igreja Católica, ao Reino da Glória. Quando falamos em Reino de Deus, devemos nos lembrar das palavras de Jesus a Pilatos: “Meu Reino não é deste mundo…” De fato, o reino deste mundo não é o d’Ele, o Reino de Jesus neste mundo está oculto no interior das almas, e na sua aparência, está na Igreja Católica, mas não como um governo humano.

Vamos meditar o que constitui o verdadeiro Reino de Deus: o reino da Graça na Igreja.

1 – O Reino da Graça!

O que é a graça? Segundo o Catecismo, é um dom gratuito criado por Deus, infundido na alma do homem e que nos faz participar física e formalmente de Deus.

Na relação pais/filhos temos duas figuras de filiação: a natural e a adotiva. O que é a  adoção? Uma família tem um filho e o quer entregar aos cuidados de uma outra família. O que fazem? Ambas famílias vão ao Cartório e a 1ª família passa seus direitos sobre a criança para a 2ª família. Aquela criança que tem seu sangue e sua origem em seus pais, passa juridicamente a pertencer àquela família que a adotou. Mas com a criança nada acontece, ela continua  a ser a mesma e é possível que mais tarde esta criança queira conhecer os seus verdadeiros pais, de tal maneira está ligada a eles.

Por ocasião do batismo o sacerdote derrama água sobre a cabeça da criança dizendo: eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; o que se passa nesse momento? Não é um registro de documento feito em Cartório; a criança já não é mera criatura, ela, a partir deste momento, recebe o título de filha de Deus. Neste ato passa-se algo na alma da própria criatura que é um verdadeiro milagre – ela passa a participar da natureza divina. Seria mais ou menos como tomar uma formiga e fazê-la participar da natureza humana. No entanto, é  muito menos fazer uma formiga passar pertencer à natureza humana, do que aquela criança passar a participar da vida divina. Ela passou a ter a vida de Deus em si; nela são infundidas todas as virtudes, todos os dons; ela passa a participar dos méritos de Jesus Cristo.

Antes do Batismo toda criatura está fora da lei da graça, pois, este é o estado de todos aqueles que não receberam esse sacramento. Toda criatura carrega consigo o pecado Original, e assim sendo, é rejeitada por Deus. Entretanto, recebendo o Batismo esta condição muda totalmente – os teólogos não encontraram uma metáfora para explicar o que acontece neste momento – mas dá-se, mais ou menos como se todo o sangue da criança fosse retirado por uma das veias, e por outra fosse introduzido o sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. Ela passa a participar da divindade a partir deste momento, tornando-se assim, realmente filha de Deus. Com isso penetra na alma dela como Pai e como Amigo a Deus uno e trino – Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo. Ela passa a ser tabernáculo de Deus, a tal ponto, que nos primeiros tempos do Cristianismo não era só a Bíblia, não era só o altar, que eram usados para se fazer os juramentos, eram tomadas, não poucas vezes, as crianças recém-batizadas e as partes faziam o juramento colocando a mão sobre o peito desta criança, para atestar diante da Santíssima Trindade o que estavam falando era a verdade. Essa era a noção que se tinha, que Deus nela estava presente.

2 – Exemplos: conversa com Nicodemos e a samaritana.

Quando Jesus conversa com Nicodemos,diz a ele que se não renascesse de novo, não teria a vida. Para renascer, era preciso que a vida divina penetrasse nele.

Mais claro ainda será Jesus com a samaritana, quando diz que ela daria a Ele uma água que possibilitava matar a sede, mas que Ele poderia dar uma outra água, que uma vez bebida, a pessoa não tornaria a ter mais sede.

Muito mais do que os exemplos de Nicodemos e da samaritana, nós vamos encontrar esta vida bem expressa naquela cena em que os Apóstolos – que estavam acostumados com São João Batista a aprender esta ou aquela oração – voltam-se para Nosso Senhor e pedem que os ensinassem a rezar. Jesus dá a eles a mais bela, a mais perfeita, a mais extraordinária das orações:  “Pai Nosso que estais no céu, santificado seja o Vosso nome. Venha a nós o Vosso Reino…”. Aí está o Reino de Deus proclamado no Pai Nosso – Venha a nós o Vosso Reino.      É este o desejo que devemos ter: que o Reino que existe na Glória, se estabeleça também sobre a face da Terra. Sobretudo que este Reino se estabeleça, se efetue, se torne forte, no fundo dos nossos corações.          

Seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como ela é feita no Céu. Portanto, que a vontade de Deus tal qual ela é no Céu, seja estabelecida também neste mundo.

 

II – O alimento do Reino de Deus !

Ficará ainda mais claro o que é este Reino da Graça, na descrição feita por São João, a respeito da maravilhas da Eucaristia, no sermão feito por Nosso Senhor.

Evangelho de João 6, 35, 51, 54 –  “Eu sou o pão da vida: aquele que vem a mim não terá fome, e aquele que crê em mim jamais terá sede.”  * “Eu sou o pão vivo que desceu do céu. Quem comer deste pão viverá eternamente. E o pão, que eu hei de dar, é a minha carne para a salvação do mundo”. * “Quem como a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia”.

Vemos nestas citações que o  Reino de Deus e o Reino da Graça, é a graça vivendo em nós; é a graça que começa com o Batismo, que se fortifica com a Crisma. É a graça que cresce quando nos alimentamos com a sagrada Eucaristia Para isso, Nosso Senhor deixou-se ficar em Corpo, Alma e Divindade, debaixo das espécies eucarísticas, para aumentar esse Reino de Deus que existe dentro de cada de nós.

No entanto esse Reino tem um grande adversário: o pecado. Por isso, devo fazer de tudo para evitar o pecado, a fim de manter vivo no fundo de minha alma esse Reino.

É uma loucura o pecado; ele nos traz muitas vezes um prazer fugaz, são trinta segundos, um minuto, depois o que acontece comigo? Perco o Reino de Deus, deixo de participar da natureza divina, volto ao meu estado de maldição, porque quem peca se torna inimigo de Deus. Entretanto Ele é tão misericordioso que nos deixou o sacramento da Penitência. Depois de uma confissão bem feita, tudo o que tínhamos perdido, nos é devolvido.                                                

1 – Ponto de reflexão:

Nós fomos criados não para viver neste mundo. Os adoradores deste mundo quereriam perpetuar sua existência, ainda que sofrendo, para poder gozar sem limites as alegrias fugazes, que se evaporam com toda a facilidade. Nós somos criados para uma alegria eterna, para a glória eterna.

Diz o Evangelho que na casa do Pai há muitas moradas, “se não fosse assim eu vô-lo diria”. Mais adiante Jesus diz: quando eu estiver ido, e vos tenha preparado um lugar, de novo retornarei e vos tomarei comigo, para que, onde eu estou, estejais também vós. A palavra de Jesus é lei, se Ele disse que vai preparar, é porque vai preparar mesmo e Ele tem preparado para cada um de nós um lugar no céu.

Ele disse que voltará para nos levar para o céu –  é o que acontece com aquele que morre na graça de Deus, Ele o toma e leva para o lugar que lhe preparou, desde toda a eternidade.      

Em vista de tudo isso quanto vale a pena evitar o pecado, porque se eu peco o que pode me acontecer? De repente um carro me pega, uma bala perdida me atravessa, e eu me apresento diante de Deus em estado de pecado. Por isso, devo ter um amor a Deus intenso e crescente,  para que eu possa também ter um gozo junto a Ele que nunca se acabará.

 

Oração Final

Oh! Rainha do céu e da terra, Vós que sois soberana deste Reino tão maravilhoso que é o Reino da Graça, o Reino da Igreja, que é o Reino da Glória, tende misericórdia, tende bondade, perdoai as minhas faltas; daí-me graças para nunca pecar, daí-me graças de compreender as belezas que perderei se sucumbir quando o demônio me tentar para praticar o que não é licito, daí-me a graça de sempre me afastar do mal; que eu não tenha delírios por aquela roupa imoral, que eu não tenha delírios por aquele pecado horroroso, mas, pelo contrário, que eu me deixe tomar, me entusiasmar, pelas maravilhas do céu, para as maravilhas para as quais me criastes; Senhora! Eu quero estar convosco no céu; daí-me esta graça. Assim seja!!!

(Meditação – 1º de julho de 2006 -Mons. João S.Clá Dias – Catedral da Sé, São Paulo.)