A Eucaristia, eixo da piedade católica

No blog dos Arautos do Evangelho da Colômbia* encontrei um escrito maravilhoso sobre o Santíssimo Sacramento e quero compartilhar aqui com todos

Pe. Rafael Ramón Ibarguren Schindler**, EP

O texto reproduz trechos de uma conferência de um declarado adorador, o Professor Plínio Corrêa de Oliveira. Já que a matéria apresenta um grande interesse, reproduzo trechos significativos.

1. No início, estão referidos os três aspectos do mistério eucarístico: sacrifício, presença e alimento: “A Missa é a renovação incruenta do Santo Sacrifício do Calvário, no qual Nosso Senhor Jesus Cristo ofereceu-se como vítima expiatória por todos os homens; Ele, o Homem Deus, Inocente, em sua natureza humana passou pelo castigo que Adão nos mereceu, e resgatou a todos os homens.

No momento em que o sacerdote pronuncia as palavras da Consagração, a hóstia é consagrada, transubstanciando-se no Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Da renovação deste sacrifício do Divino Redentor resulta um dom inestimável: sua visita às nossas almas”.

2. Em seguida, o documento prossegue com esta ideia tão consoladora: Ver ao Senhor em pessoa, tocar a orla do seu manto e ouvir sua voz… é menos que comungar: Se Ele estivesse sensivelmente presente – está realmente presente -, e eu pudesse ver, por exemplo, um pequeno movimento de sua mão divina, e observar seu pulso, considerando que ali pulsa o Sagrado Coração de Jesus, dado que a pulsação do Coração é refletida nessas veias! Dessas pulsações divinas vive tudo o que tem vida na ordem espiritual das coisas. Que respeito!

Se eu conseguisse, também, tocar a borda de seu manto como aquela mulher que se curou ao tocá-lo! E se pudesse com esse ato alcançar, em um momento, o grau de santidade que eu gostaria de obter, não seria natural que me alegrasse completamente?

Recordo as palavras de um salmo, que me parecem uma beleza: “…se regozijarão meus ossos humilhados”. Um indivíduo está reduzido a ossos, a uma caveira; pode estar em uma situação mais baixa? Mas Nosso Senhor diz uma palavra e a caveira se refaz, ressuscita de júbilo!

As palavras dEle são palavras da vida eterna. Ouvir uma palavra de Jesus! Ele está na Hóstia; eu não vejo, mas creio.

Quando chega a hora de comungar, Nosso Senhor estará realmente em mim. Será que Ele não vai me dizer nada? Sim, no interior de nossas almas, Ele dirá:

– Meu filho, quando dois estão juntos, um sente ao outro. Será que quando Eu estou em ti não sentes nada? Ouça a linguagem silenciosa da minha presença, que não te fala aos ouvidos.

Às vezes o silêncio diz de uma pessoa o que não chega a expressar a fisionomia, as maneiras, ou o modo de ser ou a palavra. “Meu filho, tu sabes isso? Preste atenção em mim! Eu estou em você e a graça fala com você. Você não sente nada?”.

Assim é o inefável da Sagrada Eucaristia que a alma católica sente. Posso dizer que sinto algo que comunica luz, amor, força e permanece em nossa alma, embora para muitos lhes pareça ser passageiro.

Graças à Sagrada Comunhão, a inteligência se torna mais perspicaz para os assuntos da Fé; enquanto o amor se abre mais a todas as virtudes; em relação à fortaleza, fica mais disposta a fazer todos os sacrifícios e a vontade de lutar se multiplica por si mesma.

3. Em seguida, segue uma explicação de como a Missa repercute no céu. “Essa é uma hora de grande solenidade, para a qual devemos colocar a alma em uma posição de veneração, de gravidade e de seriedade.

A medida em que se aproxima a hora da Consagração, eu não posso deixar de pensar no que deve estar se passando de tão solene, festivo, vitorioso e grandioso no Céu nesse momento. Que alegria e que glória para Deus! Ainda que o Céu e a Terra tivessem sido criados para que houvesse apenas uma só Missa, tudo estava justificado.

Missa Solene na Basílica de Nossa Senhora do Rosário dos Arautos do Evangelho

Ao começar uma Missa, não estarão os anjos -para empregar uma linguagem antropomórfica- preparando-se solenemente? Imagino que nesse momento o Céu deva estar como um tribunal quando se vai realizar um ato mais sério e mais augusto que a coroação de um rei.

Pouco depois o tintinar dos sinos, termina a Consagração e o Céu reluzirá de glória”.

4. A Santa Missa não só ecoa no céu; causa terror ao demônio e repercute no inferno: “Estas considerações ficariam incompletas se eu não agregasse o seguinte: Ainda que de certo modo toda a criação tenha sido considerada sumariamente, falta algo: o inferno. Quando se aproxima a Consagração, eu imagino que o inferno fica aterrorizado, deve rugir de ódio e gostaria de fazer explodir o mundo para evitar a celebração de uma Missa. Ele sabe a derrota renovada que sofrerá”.

Estas ideias, que são parte da Fé e que se expressam em piedosas meditações, nos falam do caráter militante da celebração eucarística: mistério celebrado na terra que repercute não apenas no céu, mas também -e quanto!- nos infernos.

Assunção, junho de 2018

Por Padre Rafael Ibarguren EP

________________

*http://caballerosdelavirgen.org/espiritualidad/la-eucaristia-eje-de-la-piedad-catolica#

**Conselheiro de Honra da Federação Mundial das Obras Eucarísticas e da Igreja.

Veja também: Vinte e quatro horas eucarísticas

Retiro Espiritual em Serra Negra/SP

Membros do Apostolado do Oratório de São Paulo e cooperadores dos Arautos do Evangelho fizeram um retiro espiritual inaciano na aprazível cidade de Serra Negra

Os Retiros Espirituais Inacianos, também conhecidos como Exercícios Espirituais, foram criados por Santo Inácio de Loyola, Fundador da Companhia de Jesus.

Santo Inácio partia do pressuposto de que, assim como necessitamos exercitar o nosso corpo para termos uma boa saúde, devemos também exercitar a nossa alma, por meio da oração, da meditação e da contemplação, para sermos espiritualmente sadios.

Nesse sentido realizou-se, de 25 a 27 de maio num hotel fazenda em Serra Negra, o Retiro Espiritual pregado por Sacerdotes Arautos para Terciários e membros do Apostolado do Oratório.

O local, em meio à bela vegetação das montanhas, presta-se muito ao recolhimento. Retirarmo-nos dos afazeres e preocupações do dia a dia para, em um clima de silêncio e reflexão, meditarmos nas grandes verdades que dizem respeito à nossa salvação eterna e ao nosso relacionamento com Deus, fim último e supremo da nossa existência.

É a ocasião em que, com as luzes do Divino Espírito Santo, que fala no íntimo de nossos corações, analisamos a nossa vida, os nossos atos, identificamos nossos pontos fracos e fazemos propósitos firmes de emenda. Ocasião em que aproveitamos também para fazer uma boa confissão e assim pôr em ordem a nossa alma, confiantes sempre na infinita misericórdia de Deus e no auxílio de sua Mãe Santíssima.

Tudo isso feito na presença do Santíssimo Sacramento, que fica exposto durante todo o dia, desde o término da Missa da manhã até o início da Missa da noite.

As fotos abaixo falam por si.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Falar em silêncio

Quintana - Dia com Maria

Terminara a celebração do 13 de maio na Cova da Iria, em 1991, presidida pelo então Papa João Paulo II.

Três horas de oração intensas haviam unido uma multidão imensa que acorrera a Fátima para fazer a experiência de fé. Uma experiência que se revelaria em múltiplas e diferenciadas expressões mas, naquela hora, com um único denominador – o Papa que se fazia intérprete de todos, de todos tomando dores e esperanças para delas fazer a oferenda comum na renovada consagração da humanidade a Nossa Senhora de Fátima.

Os milhares de lenços brancos do adeus à Virgem tinham recolhido aos bolsos dos peregrinos e estes demandavam já em busca do almoço e do regresso a casa.

Lentamente, a Capelinha das Aparições e o espaço envolvente retomavam o ambiente peculiar em final de peregrinações aniversárias e para muitos constituía o habitual “check-point” destinado ao reencontro de quem se perdera.

O Papa João Paulo II tinha-se desparamentado. Um séquito reduzido preparava-se para o conduzir à Casa de Nossa Senhora do Carmo, onde os bispos portugueses o aguardavam para o almoço.

Entre o “papamóvel” que os seus colaboradores lhe indicavam e o genuflexório aos pés da imagem de Nossa Senhora de Fátima, o Papa Wojtyla escolheu o genuflexório, onde se prostrou em longa contemplação silenciosa.

Este gesto surpreendeu as poucas centenas de peregrinos que tinham decidido aguardar pelo Papa para o aclamarem numa derradeira despedida. De tal modo, que logo se quedaram os murmúrios e todos os olhares se fixaram em comunhão com o silêncio do bispo vestido de branco.

Um manto de sossego envolveu a capelinha e demais espaço envolvente. O Papa rezava mergulhado em oração íntima, completamente alheado do que se passaria em redor.

Nunca saberei se os peregrinos presentes rezaram ou não, mentalmente, em união com o Papa. Tenho, porém, a profunda convicção de que aquele silêncio uniu de uma forma fantástica os presentes, diria mesmo uma união contrastante com o ruído celebrativo da peregrinação multitudinária em que todos tinham acabado de participar.

Passados longos minutos, o Papa despertou do silêncio e surpreendeu-se com o aplauso dos peregrinos que voltaram a aclamá-lo em júbilo.

Ainda hoje sinto dificuldade em explicar aquele silêncio do Papa. Foi um momento mágico que tocou a sensibilidade do cristão, afagou o ego do repórter e lhe proporcionou esse apontamento suplementar de reportagem. Um apontamento que, na altura associei, à emoção de todos perante a vivência de momentos únicos de proximidade com o Papa e de gestos imprevistos/proféticos de João Paulo II.

Mas, 21 anos depois, ao recordar aqui esses momentos, parece-me que, em meus ouvidos, ainda ressoa aquele silêncio através do qual o Papa João Paulo II tocantemente falou.

José António Santos, secretário-geral da Agência Lusa