Canindé, no Ceará, recebe Romaria do Apostolado do Oratório

Mensagem do Sr. Francisco Guarany, ao Secretariado do Apostolado do Oratório, sobre a 3ª Romaria ao Santuário de São Francisco das Chagas, em Canindé (CE).

O Apostolado do Oratório dos Arautos do Evangelho em Fortaleza (CE) promoveram no dia 24/8/2014 a 3ª Romaria ao Santuário de São Francisco das Chagas, em Canindé (CE), situado no sertão cearense.

Peregrinos provenientes de diversas Paróquias de Fortaleza e municípios vizinhos formaram uma caravana que lotou a Basílica de São Francisco, onde foi celebrada a primeira Missa do dia.

À tarde, os romeiros do Apostolado do Oratório seguiram para o Mosteiro da Adoração Perpétua ao Santíssimo Sacramento, das Irmãs Clarissas, onde ocorreu a segunda Celebração Eucarística.

A Romaria, conduzida pelo Pe. Orlando Kimura, EP, terminou aos pés da imagem de São Francisco, no Morro do Moinho, de onde o ”Poverello“ de Assis estende sua santificadora influência aos romeiros que visitam aquela localidade.

Em Jesus e Maria,

Francisco Guarany

Supervisor do Apostolado do Oratório

Abaixo fotos do evento:

 

Comentar!

Veja também: Maria nos Lares

Orquídeas e Santos

Marcos Eduardo Melo dos Santos

São Francisco de Sales – Foto: Timothy Ring

A indescritível diversidade existente entre as orquídeas aponta para outra maior: a dos santos. Há no Jardim Celestial uma variedade superior à das flores terrenas.

Elegantemente suspensas no tronco de frondosas árvores, exalando perfume, beleza e suavidade, desabrocham, sobretudo, nas selvas tropicais umas das mais belas flores que o homem possa contemplar: as orquídeas.

Embora a maioria delas nasça nas florestas quentes, seu mais propício habitat natural, outras brotam em prados secos ou úmidos, em relvados, mangais, matas temperadas, dunas, rochas e até no subsolo. Pois esta família botânica de surpreendente variedade compõe-se de dezenas de milhares de espécies oriundas de todas as latitudes do planeta: do círculo polar ártico ao mais tórrido clima equatorial.

Muitas destacam-se por suas exóticas formas e combinações de cores; outras apresentam um aspecto mais sóbrio, sem serem, entretanto, menos belas. Também existem aquelas de aparência jocosa, como a Orchis símia, uma espécie europeia que evoca a forma de macaco. Algumas têm um colorido “selvagem” que faz lembrar a pele de um tigre ou um leopardo. Já as do gênero Oncidium são conhecidas como “chuva de ouro”, devido ao seu pequeno tamanho, vistosa cor amarelo vivo e exuberante inflorescência.

Foto: Otávio de Melo – Orquidário da Universidade de São Paulo (ESALQ – Piracicaba)

Contudo, a maioria das orquídeas se caracteriza por uma beleza suave e harmônica. Assim são as do gênero Barkeria, originárias do México, de delicados tons rosados ou lilás, e as Catleias, verdadeiras rainhas desta família botânica, cuja deslumbrante formosura os cultivadores procuram incessantemente requintar. No mundo das orquidáceas, como no das flores em geral, o charme se encontra na variedade de formas, cores e perfumes. Se todas elas fossem iguais, perderiam muito de seu esplendor.

A indescritível diversidade existente entre as flores aponta para outra ainda maior: a das almas. Embora todos os homens gozem de igual dignidade — enquanto seres criados à imagem de Deus, dotados de alma racional e redimidos pelo Sangue preciosíssimo de Cristo —, cada um difere dos demais, por refletir um aspecto original e único das infinitas perfeições do Criador.

E assim como acontece com as orquídeas, há santos de todos os feitios, temperamentos, carismas. Junto a São Filipe Neri, simpático e até jocoso, deparamo-nos com o ascético Santo Antão; veneramos tanto São Luís, Rei de França, ou Santa Isabel, Rainha de Portugal, quanto o Poverello de Assis ou Santa Zita, empregada doméstica.

Nada tão desigual e ao mesmo tempo tão semelhante quanto dois santos. Nada mais harmônico que o grande Jardim Celestial onde brilham as feéricas cores das boas obras, e do qual emana o perfume inebriante das virtudes dos bem-aventurados. Há ali uma variedade superior à da família das orquídeas, pois o universo das almas é mais rico em diversidades e belezas do que qualquer outro conjunto da terra.

Fonte: Revista Arautos do Evangelho, nº 102 – junho de 2010, págs. 50-51.

Comentar!

Veja também: A Santa Missa, um sacrifício?