Meditação do Primeiro Sábado de julho 2018

III Mistério Glorioso – Descida do Espírito Santo
O hóspede adorável de nossas almas

 

O Consolador

Conforme a promessa de Nosso Senhor aos Apóstolos, o Espírito Santo vem a nós como Consolador, Intercessor e Advogado, rogando pelo homem junto a Deus Pai, nosso Juiz Eterno.

A humanidade tem uma necessidade vital dessa efusão do Divino Espírito Santo.

E esta é a razão de nos reunirmos ardorosamente em torno do altar, para pedir a Maria que, Mãe da Igreja, obtenha de seu Divino Esposo graças de maior fervor, de maior consolo, de maior piedade, de maior força para enfrentarmos todos os males.

Desde o despertar devemos pedir a intervenção d’Ele em todas as nossas atividades do dia. Nada pode abater quem está cheio do Espírito Santo!

Descanso e refrigério

Ao encontrar morada no íntimo do homem, o Espírito Santo então se torna — como proclama a Sequência litúrgica da Solenidade do Pentecostes — verdadeiro pai dos pobres, distribuidor dos dons e luz dos corações. Torna-se hóspede adorável das almas, que a Igreja saúda, sem cessar, na intimidade de cada homem.

Ele, efetivamente, traz descanso e refrigério no meio dos esforços, do trabalho dos braços e das mentes humanas; traz descanso e alívio nas horas de calor ardente do dia, no meio das preocupações, das lutas e dos perigos de todas as épocas.

E traz, por fim, a consolação, quando o coração humano chora e é tentado pelo desespero.

 

Clique acima para baixar o texto completo da Meditação

 

Veja também: Para uma boa confissão

Aproximam-se as celebrações do Tríduo Pascal

Tendo em vista a aproximação do Tríduo Pascal e toda a importância da Semana Santa, postamos aqui um resumo de uma bela e oportuna explicação do Papa Bento XVI sobre o Tríduo. O texto é da sua catequese de 20 de abril de 2011.

Queridos irmãos e irmãs,

Estamos a partir de agora juntos ao coração da Semana Santa, cumprimento do caminho quaresmal. Amanhã entraremos no Tríduo Pascal, os três dias santos em que a Igreja faz memória do mistério da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus. O Filho de Deus, após fazer-se homem em obediência ao Pai, tornando-se em tudo semelhante a nós, exceto no pecado (cf. Heb 4,15), aceitou cumprir até o fim a sua vontade, de enfrentar por amor a nós a paixão e a cruz, para fazer-nos participantes da sua Ressurreição, a fim de que n’Ele e por Ele possamos viver para sempre, na consolação e na paz.

Exorto-vos, portanto, a acolher esse mistério de salvação, a participar intensamente do Tríduo pascal, fulcro de todo o ano litúrgico e momento de graça particular para todo o cristão; convido-vos a buscar nestes dias o recolhimento e a oração, de forma a alcançar mais profundamente essa fonte de graça.

A tal propósito, em vista das iminentes festividades, cada cristão é convidado a celebrar o Sacramento da Reconciliação, momento de especial adesão à morte e ressurreição de Cristo, para poder participar com maior fruto da Santa Páscoa.

A Quinta-feira Santa é o dia em que se faz memória da instituição da Eucaristia e do Sacerdócio Ministerial. Pela manhã, cada comunidade diocesana, reunida na Igreja Catedral em torno do Bispo, celebra a Missa Crismal, na qual são abençoados o Santo Crisma, o Óleo dos catecúmenos e o Óleo dos Enfermos. A partir do Tríduo Pascal e por todo o ano litúrgico, esses óleos serão utilizados para os Sacramentos do Batismo, da Confirmação, das Ordenações Sacerdotal e Episcopal e da Unção dos Enfermos; nisso evidencia-se como a salvação, transmitida pelos sinais sacramentais, deriva-se exatamente do Mistério pascal de Cristo; de fato, nós somos redimidos com a sua morte e ressurreição e, mediante os Sacramentos, alcançamos aquela mesma fonte salvífica.

Agonia de Nosso Senhor no Horto das Oliveiras

Durante a Missa Crismal, amanhã, acontece também a renovação das promessas sacerdotais. No mundo inteiro, cada sacerdote renova os compromissos que assumiu no dia da Ordenação, para ser totalmente consagrado a Cristo no exercício do sagrado ministério a serviço dos irmãos. Acompanhemos os nossos sacerdotes com a nossa oração.

Na tarde da Quinta-feira Santa inicia efetivamente o Tríduo Pascal, com a memória da Última Ceia, na qual Jesus instituiu o Memorial da sua Páscoa, dando cumprimento ao rito pascal hebraico. Segundo a tradição, toda família hebraica, reunida á mesa na festa da Páscoa, como o cordeiro assado, fazendo memória da libertação dos Israelitas da escravidão do Egito; assim, no cenáculo, consciente da sua morte iminente, Jesus, verdadeiro Cordeiro pascal, oferece a si mesmo pela nossa salvação (cf. 1Cor 5,7). Pronunciando a bênção sobre o pão e o vinho, Ele antecipa o sacrifício da cruz e manifesta a intenção de perpetuar a sua presença em meio aos discípulos: sob as espécies do pão e do vinho, Ele se torna presente de modo real com o seu corpo doado e o seu sangue derramado.

Continue lendo “Aproximam-se as celebrações do Tríduo Pascal”

Por ocasião da Quaresma, oração à Virgem das Lágrimas

photo credit: il Bambino III via photopin cc

Virgem das Lágrimas, olhai com maternal bondade a dor do mundo. Enxugai as lágrimas dos sofredores, dos esquecidos, dos desesperados, das vítimas de qualquer violência. Obtende para todos lágrimas de contrição e de vida nova, que abram os corações ao dom regenerador do amor de Deus. Obtende para todos lágrimas de alegria, depois de verem a profunda ternura do vosso Coração.

(São João Paulo II, Homilia de 6/11/1994.)

Comentar!

Veja também: Oração a Nossa Senhora do Bom Conselho

Meditação para o Primeiro Sábado de setembro de 2014

I – O preceito do amor universal

Vós ouvistes o que foi dito: “Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!” (Mt 5, 43).

Quando, posto à prova, o Divino Redentor perguntou ao doutor da Lei o que nela estava escrito (cf. Lc 10, 25-26), este logo respondeu de maneira acertada, citando os Livros do Deuteronômio e do Levítico: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todas as tuas forças” (Dt 6, 5) e a “teu próximo como a ti mesmo” (Lv 19, 18). Conheciam os judeus perfeitamente o preceito do amor universal, todavia consideravam como “próximos” apenas os seus compatriotas.

Verdadeiro autor e intérprete da Lei, Nosso Senhor Jesus Cristo corrige as interpretações falseadas da Lei de Moisés, que a alteravam e empobreciam, para dar nova plenitude aos Mandamentos e ensinamentos antigos. Ele mostra quão vazia é, em contraposição ao Evangelho, a moral dos fariseus, que se baseava em centenas de regras e nas aparências favorecendo muitas vezes a hipocrisia. Falando em primeira pessoa, Ele realmente “ensinava como quem tinha autoridade e não como os escribas” (Mt 7, 29).

44 Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem!

Segundo a Nova Lei, os discípulos d’Aquele que é “manso e humilde de coração” (Mt 11, 29) não deverão amar menos os que os aborrecem, perseguem e caluniam do que os que os estimam, exaltam e abençoam. Se queremos ser filhos de Deus, precisamos ter uma completa isenção de ânimo em relação aos inimigos e rezar por eles. A glória de Deus exige que procuremos fazer o possível para a conversão de todos, imitando o sublime exemplo de Jesus no alto da Cruz. Qual foi sua primeira palavra, pronunciada em relação aos que O crucificavam? “Pai, perdoa-lhes; porque não sabem o que fazem” (Lc 23, 34).

Por certo, não se deve ser indolente e permitir aos adversários da Igreja agirem livremente contra Ela, implantando a injustiça na Terra. Se é obrigação amar os inimigos, é necessário também odiar o pecado! Cumpre, pois, pedir a intervenção divina para fazer cessar o mal e empregar todos os meios ― sempre conforme a Lei de Deus e a dos homens ― para que este não domine e vença no mundo (Leia mais aqui!).

Obs: Se estiver usando o Firefox, dependendo da versão, depois de clicar em (Leia mais aqui!), será preciso procurar o arquivo da meditação na pasta de downloads padrão.

Veja também: Meditação para o Primeiro Sábado de agosto de 2014

Devotos de Nossa Senhora de Fátima recebem com missa solene no Santuário Nacional de Aparecida a imagem peregrina vinda de Portugal

APARECIDA, 18 Mai. 14 / 11:06 am (ACI).- Segundo informou hoje, 18, o Portal A12, do Santuário Nacional de Aparecida, uma multidão lotou a Basílica central para uma cerimônia presidida pelo Cardeal Arcebispo de Aparecida, dom Raymundo Damasceno Assis onde foi acolhida a Imagem de Nossa Senhora de Fátima, vinda de Portugal para o Santuário Nacional, neste sábado (17). A missa se enquadra no contexto das celebrações pelo centenário das aparições de Fátima, a ser celebrado em 2017, no mesmo ano em que se recorda o tricentenário do achado de Nossa Senhora Aparecida nas águas do rio Paraíba.

A Celebração Eucarística foi concelebrada pelo Bispo de Leiria-Fátima, dom Antônio Augusto dos Santos Marto, pelo Bispo Auxiliar de Aparecida, Dom Darci Nicioli, pelo Reitor do Santuário Nacional, padre Domingos Sávio da Silva, pelo reitor do Santuário de Fátima, padre Carlos Manuel Cabecinhas, entre outros presbíteros.

No Santuário Nacional esteve presente ainda uma comitiva vinda de Portugal, representantes de entidades luso-brasileiras, entre outras autoridades.

Pelo corredor entrou a Imagem de Nossa Senhora de Fátima, que foi acolhida no Altar Central, à sua frente, uma coreografia exaltava os Estados brasileiros, enquanto era cantado o hino ‘À treze de Maio’.

Na acolhida, o cardeal destacou a bênção especial que representava a presença permanente da réplica da Imagem de Fátima venerada na Capela das Aparições, para a Casa da Mãe Aparecida. “Fátima tem uma grande relação com Aparecida”, disse dom Raymundo. Essa relação o cardeal destacou a partir de diversos elementos vivenciados na história dos dois santuários. “Fazemos votos que essa relação, que a presença da Imagem de Fátima, que é sempre a mesma Mãe invocada por milhares de filhos no mundo, que é a nossa Mãe, que ela nos faça todos, seus devotos, cada vez mais discípulos e missionários de Nosso Senhor Jesus Cristo, ela que é Mãe, que é a verdadeira discípula e missionária”.

Nesse momento, também dom Antonio Marto tomou a palavra, e frisou a alegria de estar no Santuário Nacional e trazer a Imagem de Fátima. Agradeceu a acolhida que recebeu. Para ele foi uma acolhida “tão filial e tão entusiasta que ficará para sempre gravada no íntimo do coração. Verdadeiramente, foi algo surpreendente e admirável, mostra como é admirável a vossa fé e o vosso amor à Mãe Santíssima”, disse o bispo.

Na homilia, dom Damasceno citou os jubileus de 2017 e disse: “Faço votos que as celebrações desses jubileus sejam um verdadeiro ‘kairós’, um tempo especial da misericórdia de Deus, da sua bondade e ternura, e um tempo de conversão e oração para todos os peregrinos que visitarão esses dois santuários”.

Dom Damasceno adiantou que em 2015 espera poder “retribuir essa visita fraterna” e levar a Imagem de Aparecida para ser entronizada também naquele santuário mariano.

“Que Maria seja esse caminho, que ela nos conduza a esse verdadeiro e único caminho que é Jesus Cristo”, enfatizou. Por fim, o cardeal pediu para que a Virgem Maria favoreça a sua paz e um “mundo de concórdia, onde as pessoas se amem e se respeitem como verdadeiros filhos”.

Acidigital