Radical mudança de padrões no relacionamento divino e humano

IV Domingo do Tempo Comum

No Sermão da Montanha, Nosso Senhor ensinou uma nova forma de relacionamento diametralmente oposta aos princípios e costumes vigentes no mundo antigo. À crueldade e à dureza de trato, veio contrapor a lei do amor, da bondade e do perdão, belamente sintetizada nas oito Bem-aventuranças.

Por Mons. João S. Clá Dias, EP

Naquele tempo: 1 Vendo Jesus as multidões, subiu ao monte e sentou-Se. Os discípulos aproximaram-se, 2 e Jesus começou a ensiná-los: 3 “Bem-aventurados os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus. 4 Bem-aventurados os aflitos, porque serão consolados. 5 Bem-aventurados os mansos, porque possuirão a Terra. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, porque serão saciados. 7 Bem-aventurados os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia. 8Bem-aventurados os puros de coração, porque verão a Deus. 9Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus. 10 Bem-aventurados os que são perseguidos por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus. 11 Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem, e mentindo disserem todo tipo de mal contra vós, por causa de Mim. 12a Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa nos Céus” (Mt 5, 1-12a).

Para fazer a solene proclamação de sua doutrina, não escolheu Jesus uma sinagoga, nem sequer o Templo. Proferiu essas oito magistrais sentenças ao ar livre, numa pequena meseta situada na margem noroeste do Mar de Tiberíades, perto de Cafarnaum.

Continue lendo “Radical mudança de padrões no relacionamento divino e humano”

⚜️ Conversão de São Paulo ⚜️

arraste as fotos para o lado para visualizar

No dia 25 de janeiro a Igreja comemora um dos maiores acontecimentos de sua história: A conversão do Apóstolo São Paulo.

Este fato inaugurou uma nova fase na vida dos primeiros cristãos, onde a boa nova do Evangelho começou a ser anunciada também aos povos pagãos de todo o mundo. Nesta mesma data, São José de Anchieta, 15 séculos mais tarde, fundaria uma cidade que veio a ser uma das maiores do mundo, debaixo da proteção do mesmo Apóstolo São Paulo.

Que São Paulo nos abençoe e proteja a todos!


A importância da virtude da modéstia nos trajes

A escritora norte-americana Susanna Spencer, Mestra em Teologia da Universidade Franciscana de Steubenville, dedicou um artigo escrito para National Catholic Register a elogiar a virtude da modéstia na vestimenta. Esta virtude, especialmente atual com a chegada do verão no hemisfério norte, vai além de uma série de normas ou proibições e propõem um caminho de desenvolvimento, facilitando as novas gerações a compreender e a apreciar esta faceta do testemunho de Fé. “Somente quando soube que a modéstia era uma virtude, encontrei uma resposta razoável e satisfatória sobre o que realmente significa vestir-se com modéstia”, comentou Spencer.

Continue lendo “A importância da virtude da modéstia nos trajes”

“Aqui só encontro paz”

A Adoração ao Santíssimo e a paz. O ano que começa vem acompanhado de sentimentos de apreensão, mas também de esperança.

O ano que se inicia vem acompanhado de sentimentos de apreensão e esperança. Os motivos de apreensão são óbvios. E os motivos de esperança? Eles podem não ser evidentes para a maioria das pessoas, mas existem e são fortes; vamos em frente. Obviamente falamos a linguagem da Fé e não a do mundo.

As leis da vida interior da alma

Continue lendo ““Aqui só encontro paz””

O Precursor e a restituição

II Domingo do Tempo Comum

Ao ver Jesus vir a ele no Jordão, João era já pregador de grande prestígio, profeta como nunca houvera em Israel. Entretanto, longe de sentir inveja, o Batista reagiu com heroica humildade e ilimitada servidão, testemunhando ser aquele Homem o Filho de Deus

Mons. João S. Clá Dias, Fundador dos Arautos do Evangelho

“Naquele tempo: 29 João viu Jesus aproximar-Se dele e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. 30 D’Ele é que eu disse: ‘Depois de mim vem um Homem que passou à minha frente, porque existia antes de mim’. 31 Também eu não O conhecia, mas se eu vim batizar com água, foi para que Ele fosse manifestado a Israel”. 32 E João deu testemunho, dizendo: “Eu vi o Espírito descer, como uma pomba do Céu, e permanecer sobre Ele. 33 Também eu não O conhecia, mas Aquele que me enviou a batizar com água me disse: ‘Aquele sobre quem vires o Espírito descer e permanecer, este é quem batiza com o Espírito Santo’. 34 Eu vi e dou testemunho: ‘Este é o Filho de Deus!’”(Jo 1, 29-34).

Um dos mais belos encontros da História

“O semelhante se alegra com seu semelhante”, diz um antigo provérbio latino, e de fato é esse um princípio intrínseco a todos os seres com vida, na medida em que sejam passíveis de felicidade. Deus nos criou e fez uns dependerem dos outros, aperfeiçoando-nos com o mais entranhado dos instintos, o de sociabilidade. Se para um pássaro constitui motivo de gáudio o encontrar-se com outro da mesma espécie, para nós, esse fenômeno é mais intenso. Ora, se grande é o júbilo de duas crianças afins ao se encontrarem pela primeira vez no colégio, qual não terá sido a reação dos dois maiores homens de todos os tempos, ao se contemplarem face a face?

Continue lendo “O Precursor e a restituição”