Descansem em paz

Rezemos pelos nossos falecidos

Almas do Purgatório sendo libertadas pela celebração da Santa Missa, por Bernat Despuig e Jaume Cirera Museu Nacional de Arte da Catalunha, Barcelona

Honremos a memória dos finados

O Catecismo da Igreja Católica afirma que “desde os primeiros tempos, a Igreja honrou a memória dos defuntos, oferecendo sufrágios em seu favor, particularmente o Sacrifício eucarístico para que, purificados, possam chegar à visão beatífica de Deus. A Igreja recomenda também a esmola, as indulgências e as obras de penitência em favor dos defuntos”. (no. 1032)

A festa de finados

No dia 2 de novembro, a sagrada Liturgia se lembra de modo especial dos fiéis defuntos. Depois de ter celebrado – no dia anterior, festa de Todos os Santos – o triunfo de seus filhos que já alcançaram a glória do Céu, a Igreja dirige seu maternal desvelo àqueles que sofrem no Purgatório e clamam com o salmista: “Tirai-me desta prisão, para que possa agradecer ao vosso nome. Os justos virão rodear-me, quando me tiverdes feito este benefício”. (Sl. 141,8)

Santo Odilon instituiu a “Festa dos Mortos”. (Vitral do Museu de Cluny)

A gênese dessa celebração está na famosa abadia de Cluny, em Paris, França, quando seu quarto Abade, Santo Odilon, institui no calendário litúrgico cluniacense a “Festa dos Mortos”, dando especial oportunidade a seus monges de interceder pelos defuntos, ajudando-os a alcançarem a bem-aventurança do Céu.

A partir de Cluny, essa comemoração foi-se estendendo entre os fiéis até ser incluída no Calendário Litúrgico da Igreja, tornando-se uma devoção habitual, em todo o mundo católico.

 

Indulgências em favor das almas do purgatório

Ao fiel que visitar devotamente um cemitério e rezar pelos defuntos, concede-se indulgência aplicável somente às almas do purgatório. Esta indulgência será plenária, cada dia, de 1 a 8 de novembro; nos outros dias do ano será parcial.

Para adquirir a Indulgência Plenária é preciso ir ao cemitério, rezar devotamente pelos defuntos e preencher as seguintes condições:

  • Confissão sacramental – cada confissão vale para as indulgências obtidas entre 15 dias antes e 15 depois de recebido o sacramento;
  • Comunhão eucarística – é necessária uma comunhão para cada indulgência;
  • Oração nas intenções do Sumo Pontífice – rezar para cada indulgência.1

Detalhe de “O Juízo Final”, com a Missa de São Gregório Magno, pelo Mestre de Artés – Museu de Belas Artes, Valência (Espanha)

Oração pelos falecidos

Pai Santo, Deus eterno e Todo-Poderoso, nós Vos pedimos por [nome do falecido], que chamastes deste mundo.

Dai-lhe a felicidade, a luz e a paz. Que ele, tendo passado pela morte, participe do convívio de vossos santos na luz eterna, como prometestes a Abraão e à sua descendência. Que sua alma nada sofra, e Vos digneis ressuscitá-lo com os vossos santos no dia da ressurreição e da recompensa. Perdoai-lhe os pecados para que alcance junto a Vós a vida imortal no reino eterno. Por Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo, Amém.

(Rezar Pai-Nosso e Ave Maria)

Dai-lhe, Senhor, o repouso eterno, e brilhe para ele a vossa luz! Amém.

Oração pelas almas, ensinada por Nossa Senhora de Fátima

Na aparição do dia 13 de julho de 1917, a Virgem Maria pediu aos três pastorinhos:

“Quando rezardes o terço, dizei depois de cada mistério:

‘Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno; levai as almas todas para o Céu, e socorrei principalmente as que mais precisarem’.”

Veja também: Confissão: o sacramento de cura

____________

1 Fonte: Manual das Indulgências

Sobre Apostolado do Oratório

Blog oficial do Apostolado do Oratório dos Arautos do Evangelho, Associação Internacional de Direito Pontifício.
Esta entrada foi publicada em Datas comemorativas, Espiritualidade, Fátima, , Nossa Senhora, Nosso Senhor Jesus Cristo, Orações, Verdades eternas e marcada com a tag , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta